Tarpon assume nova postura e deixa passado ativista para trás | Exame Invest
Minhas Finanças

Tarpon assume nova postura e deixa passado ativista para trás

PUBLICADO EM: 29.11.20 | 8H00
ATUALIZAÇÃO: 27.11.20 | 20H53
A era ativista da gestora deu lugar a nova estrutura, com um braço voltado à gestão de uma carteira mais diversificada

Tarpon: hoje, a estratégia é ser investidor mais passivo de bolsa no sentido de nos envolver inúmeras vezes menos do que no passado

Karla Mamona

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

A nova atuação da Tarpon no mercado de ações guarda uma distância do passado. A era ativista, inclusive com participação relevante em empresas de peso, deu lugar a nova estrutura, com um braço voltado à gestão de uma carteira mais diversificada e defensiva.

“Hoje a estratégia é ser investidor mais passivo de bolsa no sentido de nos envolver inúmeras vezes menos do que no passado”, diz Caio Lewkowicz, sócio e gestor da Tarpon Capital, em entrevista.

A carteira já contava com “zagueiros” como as empresas de energia elétrica Alupar e CPFL, além da Sanepar -- setores com fluxo de caixa previsível e risco considerado baixo, e da operadora de saúde Hapvida.

Quer mais que o vaivém da bolsa? As oportunidades em renda fixa seguem valiosas. Saiba mais na EXAME Research

A pandemia do coronavírus provocou realocações, na busca por setores que pudessem se blindar dos efeitos adversos da retração econômica. A gestora decidiu desinvestir do setor de turismo, duramente afetado pela interrupção das viagens mundo afora, e aumentou posição em Arcos Dorados, maior franquia do McDonald´s do mundo, em razão da perspectiva de bom desempenho do delivery de fast food, e também em Hapvida.


Recomendado para você

Outra estratégia adotada com a pandemia foi um investimento inicial na Locaweb, empresa de hospedagem de sites, após a abertura de capital. “Independente se o PIB vai ser um pouco mais ou um pouco menos, estamos em negócios bem resilientes, empresas líderes nos setores onde atuam e que provavelmente vão sair mais fortes da crise.”

IPOs

Lewkowicz tem olhar seletivo para as novas estreantes na bolsa. A única escolha foi a Track & Field. “A barra está alta no mercado para empresas que estão conseguindo abrir capital. Ativos que estão conseguindo sair com nível de prêmio maior de valuation são mais únicos.”

A Tarpon Capital, braço que administra os fundos de bolsa, possui hoje uma equipe de cerca de dez pessoas e tem sob gestão 1 bilhão de reais. A estratégia de investimentos se divide atualmente em dois fundos, o Tarpon GT FIC FIA, focado em small e mid caps, e o Wahoo FIA, com exposição a mid e large caps.

Passado

A Tarpon chacoalhou o mercado brasileiro de ações desde sua fundação, em 2002, por José Carlos Magalhães, o Zeca, passando pelo IPO em 2007 até o fechamento de capital e a reestruturação em 2019. Com uma postura considerada arrojada, a gestora concentrava os investimentos em poucos ativos e chegou a assumir o controle da Somos Educação, Cremer e Ômega Energia, além de participação relevante na BRF.

Do escândalo da Carne Fraca -- operação realizada pela Polícia Federal a partir de 2017 para apurar fraudes no setor -- à dívida crescente, a BRF viveu uma dramática disputa entre os principais acionistas pela administração da empresa.

Em abril de 2018, os fundos de pensão Previ e Petros reduziram a influência de Abilio Diniz e da Tarpon no negócio, levando Pedro Parente à presidência. No ano seguinte, com o fechamento de capital veio a separação dos negócios de investimento em bolsa e private equity.

Ao fazer um balanço do aprendizado dos últimos anos, Lewkowicz diz que a proximidade com a tomada de decisões era algo positivo. “Por outro lado, perde um pouco de flexibilidade de movimento e essa flexibilidade tem muito valor.”


Leia também

Karla Mamona

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais