Exame Invest
Minhas Finanças

Taxa de juros média para pessoa física é a maior desde dezembro 2019

PUBLICADO EM: 10.9.21 | 11H11
Segundo a Anefac, a tendência é que as taxas de juros das operações de crédito continuem sendo elevadas nos próximos meses; entenda os motivos
Juros; cadastro positivo

Todas as linhas de empréstimo tiveram suas taxas elevadas no mês (Getty Images)

Foto de Karla Mamona da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Karla Mamona

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

As taxas de juros das operações de crédito voltaram a subir no mês de agosto. É o que aponta um levantamento da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac) divulgado nesta sexta-feira, 10. 

Segundo os dados do levantamento, a taxa de juros média geral para pessoa física apresentou uma elevação de 0,07 ponto percentual no mês (1,60 ponto percentual no ano) correspondente a uma elevação de 1,17% no mês (1,58% em doze meses) passando de 5,99% ao mês (100,99% ao ano) em julho/2021 para 6,06% ao mês (102,59% ao ano) em agosto/2021. Trata-se da maior taxa de juros desde dezembro de 2019. Todas as linhas de empréstimo tiveram suas taxas elevadas no mês. 

Miguel José Ribeiro de Oliveira, diretor-executivo de estudos e pesquisas da Anefac, explica que as elevações podem ser atribuídas ao aumento dos juros futuros, a expectativa de novas elevações da taxa básica de juros frente a uma inflação maior e devido a provável elevação dos índices de inadimplência e ainda o anúncio das elevações dos impostos das instituições financeiras da Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL) em 2021. 

“Essa provável inadimplência pode ocorrer por causa do fim das carências nos empréstimos (pausas e carência nas negociações de dívidas), desemprego elevado, fim do pagamento dos auxílios emergenciais, elevação da inflação e seus efeitos na renda e maior seletividade dos bancos na concessão de crédito”.

Para os próximos meses, Oliveira, acredita que, tendo em vista a piora do cenário econômico com maior risco de crédito e da elevação da inadimplência, bem como com as prováveis novas elevações da taxa básica de juros (Selic) frente a uma inflação maior, a tendência é de que as taxas de juros das operações de crédito continuem sendo elevadas.

Juros

Veja abaixo as taxas cobradas pelas linhas abaixo:

Linhas de empréstimojul/21ago/21
Juros do comércio4,84%4,86%
Cartão de crédito12,30%12,50%
Cheque especial7,38%7,42%
CDBs- Bancos1,56%1,58%
Empréstimo pessoal - bancos3,40%3,45%
Empréstimo pessoal - financeira6,48%6,52%

Foto de Karla Mamona da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Karla Mamona

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame