Exame Invest
Mercados

Techs americanas ganham força com alta de 4% do Nasdaq e Tesla dispara 20%

PUBLICADO EM: 9.3.21 | 16H57
ATUALIZAÇÃO: 9.3.21 | 17H03
Depois de forte sell-off nos últimos dias, investidores voltam a comprar ações de tecnologia em meio à queda dos juros americanos nesta sessão
musk-tesla-bezos-bilionário-rico

(Bloomberg via Getty Images)

Foto de Paula Barra da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Paula Barra

Repórter de mercados da Exame. Formada em jornalismo pelo Mackenzie e pós-graduada em Produtos Financeiros e Gestão de Risco pela FIA. Especializada na cobertura do mercado financeiro, com passagens pelo InfoMoney, Empiricus e TradersClub | paula.barra@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

As ações americanas sobem forte nesta terça-feira, 9, em meio à queda dos juros dos títulos do governo dos Estados Unidos, que leva investidores a comprar papéis de empresas de tecnologia depois de acentuada baixa nos últimos dias.

Em Wall Street, o índice tecnológico Nasdaq era o que marcava a maior alta nesta tarde, de cerca de 4%. O movimento positivo puxava as ações da Tesla para ganhos de quase 20% depois de uma sequência de cinco dias de perdas, caminhando para o seu melhor pregão desde fevereiro de 2020.

Os papéis do Facebook e Amazon saltavam 4%, enquanto Microsoft e Netflix registravam valorização de 3%.

No mesmo momento, os índices S&P 500 e Dow Jones marcavam alta de 1,92% e 0,63%, respectivamente.

As ações de tecnologia ganham força com a queda dos juros dos títulos do governo americano. Os juros dos título com vencimento em 10 anos recuava para a casa dos 1,54%, depois de terem atingido na última segunda-feira a casa de 1,62%. No começo do ano, o rendimento do Treasury de 10 anos dos EUA era negociado abaixo de 1%.

Analistas e operadores do mercado atribuem a alta acentuada ao crescente otimismo com a recuperação da economia americana no pós-pandemia, aos trilhões de estímulos do governo e preocupações sobre inflação por lá.

Na última sessão, o Nasdaq caiu 2,4%, acumulando na ocasião uma queda de 10% desde a máxima atingida no dia 12 de fevereiro, o que colocou o índice em território de correção. Os papéis de crescimento (como os do setor de tecnologia) foram fortemente pressionado nos últimos dias por serem mais sensíveis a elevações das taxas de juros, uma vez que seus fluxos de caixa projetados são mais longos, frente ao de empresas de setores mais tradicionais, mais expostas ao ciclo econômico.

Foto de Paula Barra da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Paula Barra

Repórter de mercados da Exame. Formada em jornalismo pelo Mackenzie e pós-graduada em Produtos Financeiros e Gestão de Risco pela FIA. Especializada na cobertura do mercado financeiro, com passagens pelo InfoMoney, Empiricus e TradersClub | paula.barra@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame