Exame Invest
Invest Opina

Título de inflação tem perda em ano de IPCA em alta. O que acontece?

PUBLICADO EM: 2.9.21 | 11H20
ATUALIZAÇÃO: 2.9.21 | 12H03
Investidor precisa entender o funcionamento de produtos ligados à inflação para inseri-los corretamente no portfólio
Edifício-Sede do Banco Central do Brasil em Brasília

Prédio do Banco Central em Brasília: aumento dos juros diante da escalada da inflação influencia preços dos ativos | Foto: Divulgação (Marcello Casal JrAgência Brasil)

Imagem da Editoria Exame Invest
Juliana Machado*



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

Sempre que um investidor deseja se defender do aumento generalizado de preços na economia e preservar o seu poder de compra, ele precisa buscar um rendimento acima da inflação, o que é bastante simples depois da popularização dos investimentos e do acesso ao mercado financeiro. É bem fácil, por exemplo, adquirir um Tesouro IPCA+, nome bonito das NTN-Bs, títulos de dívida pública federal indexados ao IPCA. O difícil é entender o porquê de esses produtos apresentarem um rendimento negativo justamente quando o IPCA está subindo. Afinal, o que está acontecendo?

  • A renda fixa não morreu. Saiba como escolher os melhores títulos

Quem entra no site do Tesouro Direto neste momento vai encontrar uma tabela com os títulos disponíveis para compra. No caso do Tesouro IPCA+, os vencimentos possíveis vão desde 2026 a 2055, com um rendimento anual que corresponde ao índice de inflação acrescido de uma taxa. É aqui que mora a pegadinha. Essa taxa prefixada, definida no momento da aquisição do título, só terá validade se o título for carregado até o vencimento. Se o investidor quiser vender antes (ou se ficar olhando o rendimento na tela do celular), ele vai receber o que o mercado estiver pagando – e esse preço é influenciado pela perspectiva dos investidores para a economia e outros indicadores.

Prazer, você acabou de conhecer o funcionamento da chamada marcação a mercado. É ela que explica o fato de as NTN-Bs estarem todas com rendimento negativo em 2021 enquanto o IPCA avança.

Se os preços de hoje são orientados pelas perspectivas e elas são negativas, você já consegue imaginar o que acontece. Se a percepção é que o risco no geral aumentou, os investidores exigem prêmio maior (ou taxas maiores) para emprestar recursos, seja para o governo, seja para emissores privados. E se a percepção é que o risco aumentou, o preço dos ativos vai para baixo. Taxa sobe, preço cai. Essa é a conta.

Daí que a percepção de risco é que a coisa está pior mesmo, pelo menos aqui no Brasil. O endurecimento da inflação no pós-pandemia, por si só, já dificulta o cenário para as contas públicas do governo, além de estimular os agentes de mercado a esperar mais altas da Selic, a taxa básica de juros, para conter esse movimento. A isso se somam os riscos de piora da crise hídrica, com reflexo sobre inflação e atividade, além de sanhas populistas pré-eleições (leia-se: aumento de gastos).

Com esse cenário, a conta fecha. No vermelho, mas fecha. Os juros futuros, que justamente capturam as perspectivas dos investidores, disparam, o prêmio de risco vai para cima... e os títulos de inflação são marcados a mercado para baixo, valendo menos e pesando, portanto, na carteira de quem os comprou. Vale para quem investe diretamente, via Tesouro Direto, e vale para quem investe via fundos, como é meu caso. E vale também para os menos conhecidos fundos de debêntures incentivadas, porque esse é um instrumento cuja referência é o IPCA.

Isso significa que é hora de se desfazer dessas alternativas de investimento? Quem investe diretamente precisará avaliar caso a caso, mas para quem está via fundos, a resposta é, provavelmente, não. Se a posição estiver muito elevada, faz sentido revisitá-la, mas o longo prazo está aí justamente para quem quiser aproveitar a alta da inflação com o passar do tempo, o chamado carrego – aí sim, a volatilidade da marcação a mercado será diluída no tempo e a parte do título que acompanha a inflação fará seu papel de proteger o poder de compra. Para quem foi inteligente o suficiente para ter fundos de debêntures incentivadas, que pagam mais do que os títulos de inflação, esse movimento será ainda mais satisfatório.

Fora isso, o que não dá é esperar milagre. O mercado até pode estar “errado” no que ele está precificando ou esperando do futuro, mas isso não interessa. O que interessa é o que você, como investidor e investidora, vai fazer com isso.

*Juliana Machado é analista CNPI e integra o time de análise de fundos de investimento do BTG Pactual digital. É jornalista formada pelo Mackenzie, com pós-graduação em economia brasileira pela Fipe-USP. Atuou com análise e seleção de fundos de investimento na Exame e escreveu por quatro anos para o Valor Econômico, nas áreas de governança corporativa e bolsa de valores. Escreve para a Exame Invest quinzenalmente.

Imagem da Editoria Exame Invest
Juliana Machado*


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame