Exame Invest
Mercados

Trader prevê alta de tudo com fim da pandemia

PUBLICADO EM: 12.2.21 | 6H00
ATUALIZAÇÃO: 11.2.21 | 16H28
Jefferson Laatus aposta em setores que mais sofreram com impactos do coronavírus para aproveitar momento
Jefferson Laatus

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

O rali que tem impulsionado o preço de praticamente todos os ativos negociáveis desde o ano passado deve ganhar um fôlego extra com o fim da pandemia e a nova rodada de estímulos fiscais dos Estados Unidos. Isso é o que projeta Jefferson Laatus, daytrader e sócio-proprietário do Grupo Laatus. 

Conheça o maior banco de investimentos da América Latina e invista com os melhores assessores

“Quando a preocupação for só com a recuperação econômica e não se vai ter outra variante do vírus, vai ter um boom não só de commodities, mas de todos os setores”, afirma em entrevista à Exame Invest

Para Laatus, as ações de empresas mais atingidas pela crise do coronavírus serão as mais beneficiadas nesse cenário. ”Hotelaria, aviação, turismo e eventos são excelentes apostas de médio e longo prazo. Todos sofreram demais com a pandemia e a maioria ainda não se recuperou.”

Efeito semelhante ocorreu em novembro, quando os primeiros resultados de eficácia de vacina contra a covid-19 começaram a ser divulgados. Naquele mês, ações como as da GOL (GOLL4) e CVC (CVCB3) dispararam quase 50%, enquanto as da Azul (AZUL4), quase 70%.

Mas ainda que impeça fortes altas, Laatus não acredita que a pandemia ainda vá impactar as bolsas, como no início da primeira e segunda onda. “O mercado não está se importando tanto quanto já se importou. O coronavírus só faz preço quando há a impressão de que não vai ter vacina para todo mundo ou que a vacinação vai demorar muito.”, diz. 

Por outro lado, o trader não acredita que 2021 será um ano fácil para os ativos de risco. “Em teoria, é um ano de recuperação econômica global, mas o mercado ainda quer estímulos, ver como o [presidente americano Joe] Biden vai lidar com a China e internamente temos um problema gravíssimo, que é o fiscal.”

Embora veja maior possibilidade de avanço na agenda econômica com aliados do governo nas presidências da Câmara e do Senado, Laatus teme que a renovação do auxílio emergencial estoure o teto de gastos. 

“Isso deixaria o mercado em pânico. Teríamos o Ibovespa voltando - sem exagero - para baixo da casa dos 100.000 pontos e o real superdesvalorizado”, avalia.“

Caso contrário, a expectativa é de que real se valorize na esteira do início do ciclo de alta de juros. “O mercado está claramente atento à movimentação do Banco Central quanto aos juros e vai começar a precificar positivamente o real quando os juros começarem a subir", afirma. "Isso porque investir em renda fixa no Brasil vai ficar interessante para operações de carry trade, com o investidor tirando dinheiro dos EUA a 0,25% de juros e colocando a 3% no Brasil”

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame