MERCADOS

Vale e outras mineradoras enfrentam o desafio de atender demanda da China

PUBLICADO EM: 20.4.21 | 17H08
ATUALIZAÇÃO: 20.4.21 | 17H09
A recuperação da economia chinesa levou a demanda por minério para o no nível mais alto desde 2018. Por outro lado, a Vale e a Rio Tinto, maiores produtoras da commodity, enfrentam dificuldades na produção
Sede da Vale

Vale produziu menos minério de ferro do que o previsto no último trimestre

Imagem da Editoria Exame Invest
Bloomberg



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

As duas maiores produtoras de minério de ferro do mundo têm dificuldade para acompanhar a forte demanda chinesa no primeiro trimestre de 2021, sob o impacto de desafios operacionais e clima adverso, em um sinal positivo para os preços que já estão nos maiores níveis em uma década.

Qual o setor mais quente da bolsa? Conheça a carteira de ações e dividendos da EXAME Invest Pro

A Vale produziu menos minério do que o previsto no último trimestre devido à menor produtividade em uma mina e incêndio em um carregador de navio, sinalizando que a recuperação após o rompimento da barragem de Brumadinho em 2019 tem sido um pouco mais lenta do que o esperado.

As exportações da Rio Tinto foram afetadas pelo clima mais úmido do que o normal nas operações em Pilbara, na Austrália Ocidental.

Na segunda-feira, o preço de referência do minério de ferro chegou a superar US$ 180 a tonelada - a maior cotação desde maio de 2011 -, após a notícia de que a produção de aço bruto da China aumentou 19% no mês passado na comparação anual, quase para nível recorde.

A maior produção chinesa de aço coincide com medidas do governo para reduzir a poluição, o tem impulsionado os preços e elevado as margens de lucro das usinas.

“Com o mercado relativamente apertado no momento, certamente qualquer problema para atender às diretrizes atuais será relativamente positivo para o preço”, disse Daniel Hynes, estrategista sênior de commodities do ANZ Banking Group.

Vale e Rio Tinto mantiveram as previsões para a produção anual, embora a recuperação mais lenta do que o esperado da Vale possa levar o mercado a redefinir suas expectativas, disse.

A Rio Tinto alertou que sua estimativa para a produção anual de até 340 milhões de toneladas está sujeita a riscos logísticos associados a colocar em operação 90 milhões de toneladas de substituição de capacidade. A mineradora também disse que o ciclone tropical Seroja impactou a mina de Pilbara e operações portuárias em abril.

Foi um “trimestre medíocre” para a Rio Tinto, disse em relatório Tyler Broda, analista de mineração da RBC Capital Markets. A produção trimestral ficou 6% abaixo da estimativa do banco, disse.

Os preços do aço na China encerraram o trimestre nos maiores níveis em uma década, já que a atividade de construção e a demanda de janeiro a março foram mais fortes do que em 2020 e 2019, segundo a Rio Tinto.

A forte demanda e as margens - no nível mais alto desde 2018 - aumentaram a procura por produtos de minério de ferro de maior qualidade, e o foco do país na redução das emissões da siderurgia deve limitar as exportações em 2021, apoiando as margens globalmente, disse a empresa.

A perspectiva de curto prazo para os preços do minério de ferro permanece positiva, disse Hynes, do ANZ, pois as siderúrgicas chinesas estão dispostas a aceitar os atuais preços altos para sua principal matéria-prima enquanto as margens seguem fortes.

No entanto, ele acrescentou que o custo do minério está agora bem acima do valor justo, com o risco de uma retração no final do ano se os planos do governo chinês de limitar a produção de aço para controlar as emissões de gases de efeito estufa começarem a impactar a demanda.

“Se víssemos uma queda de 1% na produção de aço chinesa, isso potencialmente eliminaria cerca de 15 a 20 milhões de toneladas de minério de ferro”, disse Hynes.

Esteja sempre informado sobre as notícias que movem o mercado. Assine a EXAME.

Imagem da Editoria Exame Invest
Bloomberg


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame