Exame Invest
Mercados

Veja as 10 ações que mais subiram e mais caíram no primeiro semestre

PUBLICADO EM: 30.6.21 | 19H20
ATUALIZAÇÃO: 30.6.21 | 19H50
Quatro papéis do Ibovespa avançaram mais de 100% na primeira metade do ano, enquanto três recuaram mais de 20%. Confira a análise das ações que lideraram os extremos
Braskem processa Maurício Ferro desvios

Ação da Braskem subiu mais de 150% e teve a maior alta do Ibovespa no primeiro semestre de 2021 | Foto: Germano Luders/EXAME

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada

Repórter de mercados, passou pelas redações da revista Capital Aberto e rádio BandNews FM | beatriz.quesada@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 6MIN

O primeiro semestre de 2021 foi de recuperação para a bolsa brasileira. O Ibovespa, principal índice da B3, acumulou alta de 6,54% nos seis primeiros meses do ano, repercutindo a melhora das perspectivas econômicas e sanitárias para o país. 

Conheça o maior banco de investimentos da América Latina. Abra sua conta no BTG Pactual digital

O Ibovespa reagiu ao início e ao avanço da vacinação, que abriu um horizonte para o controle da pandemia. Outro ponto que trouxe alívio aos investidores foi o PIB do primeiro trimestre, que mostrou um crescimento de 1,2% em relação ao quarto trimestre de 2020, superando as estimativas dos analistas, que apontavam uma alta de 0,9%.

“No primeiro trimestre, as ações atreladas a commodities, principalmente metálicas, foram o grande destaque, repercutindo a retomada econômica global. A partir de março, com as perspectivas de reabertura chegando ao Brasil, shoppings, aéreas e empresas ligadas ao turismo começaram a migrar para o campo positivo”, avalia Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos.

No embalo, o índice chegou a renovar sua máxima histórica, atingindo 130.776 pontos no início de junho. De lá para cá, correções e incertezas — como a apresentação da reforma tributária e a crise hídrica — impactaram o desempenho do Ibovespa, que se dividiu entre altas e baixas e encerrou o mês com um leve ganho de 0,46%. 

Ainda assim, o cenário do semestre foi o suficiente para que alguns papéis na bolsa acumulassem alta superior a 100% no período: Braskem (BRKM5), Banco Inter (BIDI11), Embraer (EMBR3) e Hering (HGTX3)

Na ponta negativa, Grupo Pão de Açúcar (PCAR3), IRB Brasil (IRBR3) e Eztec (EZTC3) recuaram mais de 25% no semestre, com destaque para a queda de quase 34% do GPA. Os dados foram levantados pela Economatica, plataforma de informações financeiras, a pedido da EXAME Invest.

Confira abaixo quais as dez ações do Ibovespa que mais subiram e as dez que mais caíram no período e entenda quais são os motivos para os principais movimentos:

As 10 ações que mais valorizaram no 1º semestre

1

BraskemBRKM5

152,65%

2

Banco InterBIDI11

137,11%

3

EmbraerEMBR3

113,22%

4

HeringHGTX3

100,00%

5

CVCCVCB3

40,11%

6

CSNCSNA3

39,97%

7

PetroRioPRIO3

38,84%

8

ValeVALE3

37,99%

9

LocawebLWSA3

34,51%

10

MarfrigMRFG3

33,39%

Braskem

A petroquímica Braskem (BRKM5) acumula alta de 152,65% em 2021, a maior do Ibovespa no período. Analistas apontam que a forte alta da companhia está ancorada em dois fatores: bons resultados e possíveis desinvestimentos de grandes acionistas. 

No primeiro trimestre de 2021, a companhia apresentou um lucro de 2,49 bilhões de reais — o melhor resultado trimestral da história. Soma-se a isso a expectativa da venda das fatias de 36,15% e de 38,4% que a Petrobras e a Novonor (ex-Odebrecht), respectivamente, detêm na companhia. 

“A Petrobras declarou que sua participação de 36,1% na Braskem está na sua carteira de ativos à venda, enquanto a Novonor adiou o prazo para envio de propostas pela sua participação. É um movimento que destrava valor para a Braskem e mantém a atenção dos investidores”, afirma Lucas Carvalho, analista da Toro Investimentos.

Banco Inter  

No caso do Banco Inter (BIDI11), a alta de 137,11% pode ser explicada por uma conjunção de fatores. O primeiro deles é uma tendência de valorização dos bancos digitais, no qual o Inter se destaca no cenário nacional, junto do Nubank, que ainda não é listado. 

Vale lembrar que o Banco Inter levantou recentemente 5,5 bilhões de reais em oferta subsequente de ações (follow-on) e que os planos da empresa incluem listagem na Nasdaq, a bolsa americana das empresas de tecnologia.

Embraer

A Embraer (EMBR3) subiu 113,22% no acumulado do ano e foi uma das ações que se beneficiaram da recuperação econômica global, com a volta dos pedidos de aeronaves, algo que havia sido paralisado no auge da pandemia. O que realmente destravou valor para a empresa, no entanto, foi a notícia de avanços no mercado de “carros voadores”.

A companhia anunciou em junho que sua subsidiária Eve — dedicada ao desenvolvimento de veículos elétricos de decolagem e pouso vertical (eVTOL, na sigla em inglês) — iniciou negociações para uma possível combinação de negócios com a Zanite. O negócio pode avaliar as empresas em cerca de 2 bilhões de dólares.

“É uma oportunidade muito boa para a Embraer porque grandes empresas, como a Boeing, não vão focar nesse mercado depois de uma crise tão grande. E startups não têm o  financiamento necessário. Já a Embraer é uma empresa média, que é um tamanho ideal pra entrar nesse mercado”, avalia Cruz. 

Hering

A Hering (HGTX3), por sua vez, acumulava queda de 0,71% até 14 de abril, quando divulgou que havia recebido (e recusado) uma proposta de fusão com a Arezzo (ARZZ3). No mesmo dia, a companhia encerrou o pregão em alta de 28%. 

De olho em possíveis fusões, os investidores continuaram a impulsionar o papel, que disparou 26% com o anúncio do acordo para fusão com o Grupo Soma (SOMA3). No acumulado do primeiro semestre, a empresa já avançou 100%.

Analistas destacaram que o negócio traz sinergias importantes para renovar a Hering. “O Grupo Soma tem capilaridade boa e pode ajudar a reinventar a parte digital da Hering, que ainda é forte”, diz Cruz.

As 10 ações que mais caíram no 1º semestre

1

Pão de AçúcarPCAR3

-33,77%

2

IRB BrasilIRBR3

-29,46%

3

EztecEZTC3

-26,53%

4

UltraparUGPA3

-20,73%

5

BB SeguridadeBBSE

-20,72%

6

TimTIMS3

-20,39%

7

CyrelaCYRE3

-17,30%

8

Lojas AmericanasLAME4

-17,03%

9

SabespSBSP3

-16,91%

10

SulAméricaSULA11

-16,52%

Grupo Pão de Açúcar (GPA)

As ações do Grupo Pão de Açúcar (PCAR3) perderam valor a partir de março, após a cisão do atacarejo Assaí (ASAI3), sua unidade mais rentável e de maior crescimento. O GPA entendeu que as operações gerariam mais valor separadas, e os investidores reagiram derrubando as ações da companhia em 69% no primeiro pregão após o negócio.

Para analistas, no entanto, o movimento foi pontual e até mesmo exagerado. “O Pão de Açúcar tem outras operações, inclusive o Grupo Éxito, uma rede supermercadista que atua na América do Sul. Houve um um desconto muito grande, e nós recomendamos a compra. A ação, inclusive, já está dando um retorno de mais de 60% desde março”, defende Carvalho. No acumulado do semestre, no entanto, o GPA ainda teve queda de 33,77%.

IRB Brasil

A empresa de resseguros IRB Brasil (IRBR3) recuou 29,46% na primeira metade de 2021, ainda repercutindo eventos do ano anterior. Em fevereiro de 2020, a gestora Squadra divulgou um relatório apontando inconsistências no balanço do IRB, o que deu início a uma crise que levou a trocas na diretoria da empresa e corroeu o valor de mercado.

A empresa, no entanto, pode estar pronta para um momento de virada. “As ações do IRB já sofreram o que tinham de sofrer, hoje já vemos o papel com bons olhos. E o segundo semestre está se desenhando para ser mais favorável para a empresa, à medida que a Selic aumenta”, afirma Cruz. 

Eztec 

No caso da Eztec (EZTC3), as perspectivas não são tão animadoras. A mesma alta na taxa de juro que favorece o IRB penaliza as ações do setor de construção, que precisa lidar com um cenário mais desafiador, uma vez que financiamentos imobiliários devem ficar mais caros e, portanto, isso afetará a demanda. 

“O setor de construção civil está pressionado porque a alta na taxa de juro impacta a demanda por crédito, e o financiamento do segmento. Além disso, a inflação dos insumos para construção também vem em forte alta, impactando os custos”, diz Carvalho. Até junho, as ações da Eztec apresentavam baixa de 26,53% em 2021.

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada

Repórter de mercados, passou pelas redações da revista Capital Aberto e rádio BandNews FM | beatriz.quesada@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame