WeWork pode ir para a bolsa com avaliação de US$ 9 bilhões | Exame Invest
Exame Invest
MERCADOS

WeWork pode ir para a bolsa com avaliação de US$ 9 bilhões

PUBLICADO EM: 26.3.21 | 8H39
ATUALIZAÇÃO: 26.3.21 | 21H55
Acordo de fusão com SPAC substituiria IPO que não avança desde 2019
Wework

Planos de listagem da WeWork, que estão em suspenso desde 2019 quando a empresa ainda era avaliada em 47 bilhões de dólares

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada

Repórter especializada na cobertura de mercados. Formada pela ECA-USP, passou pelas redações da revista Capital Aberto e rádio BandNews FM.



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

A empresa de compartilhamento de escritórios WeWork fechou acordo com uma SPAC, sigla para Special Purpose Acquisition Company, em um negócio que pode levar a empresa para a bolsa com uma avaliação de 9 bilhões de dólares, incluindo dívidas. As informações são do jornal americano The Wall Street Journal, que ouviu pessoas próximas ao assunto.

Quer dar um salto na carreira e no salário? Comece com a Jornada de Finanças e Negócios da EXAME Academy

As SPACs são companhias que funcionam como um “cheque em branco”, em que os investidores confiam na expertise dos gestores para encontrar, adquirir e realizar a oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) de uma boa empresa. 

Isso significa que parte do dinheiro para a abertura de capital já foi levantado pela BowX Acquisition, SPAC com a qual foi fechado o acordo. 

A operação é um processo mais rápido e simples para acessar a bolsa, e por isso é capaz de destravar os planos de listagem da WeWork, que estão em suspenso desde 2019 quando a empresa ainda era avaliada em 47 bilhões de dólares.

De lá para cá, prejuízos consistentes somados ao comportamento errático do então CEO Adam Neumann (posteriormente afastado do cargo) derrubaram a avaliação da companhia e levaram à suspensão dos planos de abertura de capital.

O Softbank, principal investidor da WeWork, havia se comprometido, em outubro de 2019, a comprar 3 bilhões em ações de investidores e funcionários como uma forma de resgatar a WeWork após o fiasco dos planos de IPO -- mas não foi o que aconteceu.

O conglomerado japonês desistiu da operação em abril do ano passado, citando, entre outros pontos, o impacto da pandemia de coronavírus no negócio da empresa.

Detalhes da operação

O presidente-executivo da WeWork, Sandeep Mathrani, disse à CNBC que a empresa foi abordada pela BowX e outras SPACS em dezembro. "Achamos que era um bom momento para levantar liquidez adicional para garantir que teríamos um caminho para a lucratividade", disse Mathrani.

O negócio atual representa menos de um quarto da avaliação anterior da empresa de compartilhamento de escritórios.

A SoftBank e outros investidores concordaram em um lock-up de um ano para suas ações, de acordo com uma pessoa familiarizada com o assunto ouvida pela Reuters. Não ficou imediatamente claro se os acordos de bloqueio contêm disposições ou metas financeiras que permitiriam a venda antecipada dos papéis. Os atuais acionistas deterão cerca de 83% da empresa combinada, disse a WeWork.

Excluindo a ChinaCo, sua joint venture na China, a WeWork disse que espera ter um resultado operacional medido pelo Ebita ajustado positivo em 2022. A empresa disse ainda que a receita vai mais que dobrar até 2024.

A WeWork vai buscar 1,3 bilhão de dólares em dinheiro com o negócio, incluindo 800 milhões de dólares em investimento privado da Insight Partners, fundos administrados pelo Starwood Capital Group, Fidelity Management e outros, disse a empresa.

Após o fechamento da transação no terceiro trimestre de 2021, a SoftBank e seu Vision Fund terão uma representação minoritária no conselho, disse a WeWork.

*Com Reuters


Recomendado para você


Leia também

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada

Repórter especializada na cobertura de mercados. Formada pela ECA-USP, passou pelas redações da revista Capital Aberto e rádio BandNews FM.


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame