Exame Invest
Mercados

10 notícias para lidar com os mercados nesta terça-feira

PUBLICADO EM: 31.1.12 | 9H52
Vale obtém liminar sobre pendências tributárias; Presidente e diretor financeiro da Inepar renunciam
Bradesco tem posição única, diz Deutsche Bank

Lucro do Bradesco em 2011 é o 3° maior da história dos bancos brasileiros

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

São Paulo - Aqui está o que você precisa saber:

1 - Vale obtém liminar sobre pendências tributárias. O recurso se refere à cobrança de impostos, pelo governo, de lucros da Vale obtidos no exterior, cujo valor supera os 10 bilhões de reais. Segundo a companhia, em consequência, estes processos retornarão ao Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) para julgamento.

2 - Lucro do Bradesco em 2011 é o 3° maior da história dos bancos brasileiros. Levantamento da Economatica coloca o Bradesco atrás dos resultados do Itaú Unibanco e do Banco do Brasil em 2010 - ambos ainda não divulgaram os resultados de 2011.

3 - Presidente e diretor financeiro da Inepar renunciam. Segundo uma nota publicada na CVM, o presidente Atilano de Oms Sobrinho, diretor presidente, e e Jauneval de Oms, diretor financeiro, apresentaram a renúncia durante a reunião do Conselho de Administração realizada na segunda-feira. A empresa disse que a decisão é uma exigência do cumprimento do regulamento de listagem no nível 1 de Governança Corporativa da BM&FBovespa.

4 - Desemprego na zona do euro é o maior desde 1998. O desemprego nos 17 países do bloco subiu para 10,4% em dezembro, taxa com ajustes sazonais igual à leitura revisada de novembro. É o maior nível desde junho de 1998, antes da introdução do euro, em 1999, segundo a Eurostat.

5 - M. Dias Branco anuncia emissão de R$ 150 mi em debêntures. A fabricante de biscoitos e massas irá emitir papéis com prazo de vencimento de 36 meses. Os recursos obtidos serão destinados para reforço do capital de giro da Companhia, mostra um comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).


6 - Aquisições de shopping centers esquentam oferta de debêntures. Pelo menos três operadoras ou empreendedoras de centros comerciais vão colocar debêntures no mercado nos primeiros três meses do ano. Empresas do setor buscam desenvolver ou adquirir espaços em meio à retomada da expansão econômica brasileira.

7 - Bolsas da Europa sobem após acordos na cúpula da UE. Aumentaram as esperanças com a reestruturação da dívida da Grécia depois que o primeiro-ministro Lucas Papademos afirmou que houve significativo progresso nas negociações. No entanto, qualquer avanço vai sendo limitado pela falta de um anúncio oficial final sobre a dívida grega e pelas preocupações com Portugal, cujo yield (retorno ao investidor) dos bônus de 10 anos segue em nível elevado.

8 - Fator Grécia faz bolsas asiáticas fecharem no positivo. A Bolsa de Hong Kong recuperou parte da perda da véspera, estimulada pelo acordo europeu contra a crise do euro. O Hang Seng subiu 230,08 pontos, ou 1,14%, e encerrou aos 20.390,49 pontos - nas últimas oito sessões, o índice ganhou 7,2%.

9 - 'Wikirating', a nova concorrente das agências de classificação de risco. Plataforma com código aberto permite que qualquer usuário da internet avalie um país ou uma empresa, como em uma agência de rating. O projeto sem fins lucrativos está no ar desde outubro passado, mas sua criação começou em maio de 2010, instigada pelo que Credé qualifica como descrédito das agências, que falharam dando a nota máxima a produtos financeiros 'tóxicos' e não previram a quebra do banco de investimento Lehman Brothers em 2008.

10 - Confiança da indústria melhora em janeiro, diz FGV. O Índice de Confiança da Indústria (ICI) subiu 0,5 por cento em janeiro na comparação com o mês anterior, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta terça-feira. O indicador avançou de 101,8 no mês passado para 102,3 pontos. Segundo a FGV, O índice ficou acima dos quatro últimos meses de 2011 mas ainda abaixo da média histórica, de 103,9 pontos.

Bônus: Ágora rebaixa estimativas para ação da HRT em 32%. Analista vê um risco maior após novos detalhes de acordo com a TNK-BP.

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame