MERCADOS

Abertura de Mercado: BCs precisam dar um horizonte sobre inflação e juros

PUBLICADO EM: 19.5.21 | 9H17
ATUALIZAÇÃO: 19.5.21 | 11H27
Jefferson Laatus vê investidores preocupados com a falta de direcionamento sobre política monetária das principais economias do mundo
jerome-powell-fed-credito-andrew-harrer-bloomberg

Jerome Powell, presidente do Fed, o banco central dos Estados Unidos | Foto: Andrew Harrer/Bloomberg (Bloomberg)

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 1MIN

As principais bolsas do mundo recuam nesta quarta-feira, 19, enquanto investidores aguardam pela ata da última reunião do Fomc, que será divulgada às 15h de Brasília. O motivo da queda, mais uma vez, deriva de temores sobre a inflação americana. A expectativa é de que o documente traga alguma sinalização de como o Federal Reserve, (Fed, banco central dos Estados Unidos) tem avaliado os recentes índices de preços.

Embora o presidente do Fed, Jerome Powell, venha mantendo o discurso expansionista, de que a economia ainda estaria longe de uma recuperação completa, investidores temem que um aperto monetário seja necessário para segurar a alta da inflação.

"O mercado não acredita que dá para ser paciente com a movimentação de inflação que está acontecendo", comenta Jefferson Laatus, estrategista-chefe e sócio-proprietário do Grupo Laatus em Abertura de Mercado desta quarta.

Ele ainda chama atenção para o relatório divulgado ontem pela Organização das Nações Unidas (ONU), que revela que o consumo global já está 10% superior ao período pré-pandemia. "Isso gera pressão inflacionária. Então, o mercadoquer um direcionamento dos bancos centrais para pode se posicionar em cima disso. O mercado gosta de horizonte e os bancos centrais estão segurando muito esse horizonte, o que estressa bastante os investidores", afirma.

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame