MERCADOS

Abertura de Mercado: commodities devem cair no 2º semestre. Veja como agir

PUBLICADO EM: 1.6.21 | 9H04
Embaladas pela recuperação da economia global, petróleo e minério de ferro acumulam fortes altas desde o início da pandemia
Minério de ferro: os futuros do minério caíram nesta terça-feira, um dia após registrarem o maior recuo para um único dia em quase 10 meses

Minério de ferro Foto: Beawiharta/Reuters

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

A retomada econômica impulsionada pelos estímulos das principais economias do mundo tem feito o preço das commodities disparar. Nesta terça-feira, 1, o preço do petróleo WTI bateu sua máxima desde outubro de 2018, enquanto o brent alcançou o maior patamar em mais de dois anos. Já o minério de ferro dobrou de valor em um ano, chegando a marca dos 200 dólares por tonelada. 

Apesar da forte valorização recente, Bruno Lima, analista-chefe de renda variável da Exame Invest Pro, acredita que o espaço para alta já está muito curto e os preços das commodities devem começar a cair no segundo semestre. “Commodities sobem de escada e descem de elevador”, comentou na Abertura de Mercado desta terça.

A chance de as commodities perderem força no segundo semestre, segundo o analista, é “infinitamente maior” do que a de continuarem subindo. Para Bruno, a desaceleração do crédito na China deve ser um dos principais fatores para uma possível queda dos preços. 

“O canal de crédito é superimportante para a alavancagem dos traders chineses. Até agora se teve turbinada de política fiscal e monetária, resultando em excesso de liquidez. No segundo semestre, o efeito base já não beneficia tanto, porque já acelerou bastante. A China não precisa acelerar muito no segundo semestre para entregar 6% de crescimento do PIB, que é a meta do governo”, disse.

De acordo com o analista, a opção para os investidores com investimentos atrelados às commodities é realizar os lucros da operação aos poucos. “Vai colocando no bolso. Mas para isso tem que entender exatamente qual é o racional do investimento.” 

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame