MERCADOS

Abertura de Mercado: queda do Magalu é oportunidade de compra

PUBLICADO EM: 28.5.21 | 8H57
Analista da Exame Invest Pro, Fernando Mollo recomenda papéis da varejista, após recentes desvalorizações
Magazine Luiza

Magazine Luiza: ação acumu Leandro Fonseca/Exame (Leandro Fonseca)

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 1MIN

Após figurarem entre as maiores altas de 2020, as ações do Magazine Luiza (MGLU3) acumulam desvalorização e 21,5% neste ano. A desvalorização dos papéis vem ocorrendo em meio aos temores de inflação americana, que tem levado investidores a reduzirem posição em empresas com teses de crescimento, especialmente as associadas ao setor de tecnologia.

A queda, no entanto, abriu um importante espaço para a compra dos papéis, afirma Fernando Mollo, analista da Exame Invest Pro

"O Magazine Luiza vem realizando um excelente trabalho, adquirindo pequenas empresas para otimizar sua operação nos segmentos de moda e na venda de produtos de alta frequência. Tudo isso faz com que os clientes fiquem mais tempo em seu superapp, que é o principal objetivo da companhia hoje", diz Mollo, na Abertura de Mercado desta sexta-feira, 28.

De acordo com as projeções da casa, até o fim do ano as ações do Magazine Luiza têm potencial de alta de 38%, com o preço-alvo dos papéis estabelecido em 27 reais. Atualmente, os papéis estão cotados a 19,59 reais.

"Hoje, as ações do Magazine Luiza estão mais atreladas a essa questão envolvendo juros e inflação nos Estados Unidos. Mas vamos conseguir ver o que ela vem fazendo com o tempo, e temos uma expectativa muito positiva para a empresa", afirma Mollo.

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame