Exame Invest
Mercados

Ações da ClearSale fecham em alta de 14% em estreia na B3

PUBLICADO EM: 30.7.21 | 13H30
ATUALIZAÇÃO: 30.7.21 | 18H24
Empresa já havia conseguido precificar a ação no IPO no topo da faixa indicativa, movimentando 1,3 bilhão de reais

Sócios e executivos da ClearSale em evento de estreia das ações na B3 | Foto: Cauê Diniz/B3/Divulgação (Cauê Diniz)

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Em dia de forte queda do Ibovespa, as ações da ClearSale (CLSA3) disparam 14% nesta sexta-feira, 30, em sua estreia na B3. O principal índice da bolsa brasileira recuou 3% em meio a temores de investidores com a crise fiscal.

Em sua oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês), a empresa de soluções antifraude precificou os papéis no topo da faixa indicativa, a 25 reais, movimentando 1,3 bilhão de reais.

Nesta sexta, os papeis chegaram a ser negociados por mais de 29 reais, até encerrarem a 28,50 reais. Cerca de 800 milhões de reais da oferta primária foram destinados aos cofres da companhia, enquanto o restante ficou com os acionistas que venderam sua participação na oferta. Do total arrecadado, a empresa espera utilizar 50% para o crescimento orgânico, 20% para projetos de inovação e os outros 30% para potenciais aquisições.

"O IPO foi o caminho que escolhemos para expandir os negócios e seguirmos na nossa missão de promovermos a confiança do consumidor no ecossistema digital. Estamos prontos e cheios de vontade para crescer”, afirmou Bernardo Lustosa, presidente da ClearSale, em cerimônia de estreia das ações na B3.

Na bolsa, a Clear Sale chega para ser mais uma alternativa para investidores que buscam a tese de desenvolvimento do e-commerce como um todo.

Criada em 2000, a ClearSale é especializada em soluções antifraude digital, a empresa tem como clientes companhias de e-commerce e instituições financeiras. O principal produto da casa é o Total ClearSale. "Toda a árvore de decisão sobre aprovação ou reprovação de pedidos no e-commerce fica sob a responsabilidade da Clear Sale, o que permite uma atuação mais efetiva no combate a fraudes", explica o prospecto.

Com o forte crescimento do e-commerce devido à pandemia, em 2020, a ClearSale conseguiu aumentar sua receita líquida em 65,7% para 345,6 milhões de reais. Em 2019, a evolução da receita havia sido de 35,5%. Seu ebitda foi de 71,4 milhões de reais no último ano.

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame