Exame Invest
Mercados

Ações da Hering podem sofrer short squeeze com oferta da Arezzo. Entenda

PUBLICADO EM: 15.4.21 | 9H54
ATUALIZAÇÃO: 15.4.21 | 9H59
Volume elevado de ações alugadas da Hering sugere posições vendidas, na contramão da valorização que se espera com negócio potencial com a Arezzo
B3; Bolsa; Bovespa; Painel; Investimento; Ações

Ações da Hering podem sofrer short squeeze no pregão de hoje e nos próximos

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada

Repórter de mercados, passou pelas redações da revista Capital Aberto e rádio BandNews FM | beatriz.quesada@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

As ações de empresas de vestuário, lifestyle e do varejo de moda podem ter volume maior de negociação e oscilações fortes de preço na bolsa nesta quinta-feira, 15, após a Hering (HGTX3) ter revelado na véspera que negou a proposta feita pela Arezzo (ARZZ3) de combinar os negócios das duas marcas.

Avaliada em 7,5 bilhões de reais na bolsa, a Arezzo ofereceu 21% das empresas combinadas aos acionistas da Hering mais 1,29 bilhão de reais em dinheiro. A oferta foi recusada pela Hering, com uma eventual negociação classificada como “improvável” pelo CEO Fábio Hering em entrevista à EXAME In.

Ainda assim, a discussão está apenas começando, na avaliação de Bruno Lima, head de renda variável da EXAME Invest Pro

“A Hering pode ter recusado essa primeira oferta, mas não quer dizer que não possa aceitar uma segunda ou uma terceira”, afirmou Lima na live Abertura de Mercado nesta manhã de quinta-feira (veja o programa).

O analista destacou que a movimentação pode ter um impacto positivo nas ações de vestuário nesta quinta-feira, uma vez que a proposta mostra um viés de consolidação no setor.

Outro ponto a ser observado, segundo Lima, é a possibilidade de acontecer um short squeeze com as ações da Hering, que tendem a abrir em alta nesta quinta e se valorizar nos próximos dias.

O short squeeze acontece quando investidores que estão vendidos (short) na ação, ou seja, apostando na queda da cotação, se veem obrigado a entrar no mercado comprando porque os preços vão na direção oposta. Quanto mais demorar, maior o prejuízo que podem amargar.

Para estar vendido na ação, o investidor primeiro toma os papéis emprestados, esperando vendê-los depois no mercado quando o preço cair. Como a Hering tem 6,95% de suas ações em circulação alugadas, Lima acredita que os papéis podem sofrer um squeeze no pregão de hoje.

“São 142,8 milhões de reais em ações alugadas, tem cara de short squeeze. Quem tá em short [opera vendido] em Hering vai se movimentar porque não quer ficar na frente dessa discussão de combinação com a Arezzo que está apenas começando”, afirma.

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada

Repórter de mercados, passou pelas redações da revista Capital Aberto e rádio BandNews FM | beatriz.quesada@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame