Ações de e-commerce caem até 4% com "efeito Amazon"; Petrobras sobe 1% | Exame Invest
Exame Invest
MERCADOS

Ações de e-commerce caem até 4% com "efeito Amazon"; Petrobras sobe 1%

PUBLICADO EM: 9.12.20 | 10H54
ATUALIZAÇÃO: 9.12.20 | 18H27
Confira os principais destaques de ações desta quarta-feira
ecommerce-magalu-vendas-online-crescem-pandemia

Foto de Paula Barra da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Paula Barra

Repórter de mercados da Exame. Formada em jornalismo pelo Mackenzie e pós-graduada em Produtos Financeiros e Gestão de Risco pela FIA. Especializada na cobertura do mercado financeiro, com passagens pelo InfoMoney, Empiricus e TradersClub | paula.barra@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 6MIN

O Ibovespa caiu 0,70% nesta quarta-feira,9, fechando em 113 mil pontos, seguindo a queda das bolsas americanas. Na máxima do dia, o índice chegou a tocar os 114 mil pontos, com alta de 0,2%. Entre as principais contribuições negativas em pontos para o índice, apareceram as ações da Magazine Luiza (MGLU3), pressionadas pelo anúncio da Amazon de um novo serviço de logística no Brasil, B3 (B3SA3) e Localiza (RENT3). Do lado positivo, figuraram Petrobras (PETR4), que foi incluída no portfólio para América Latina do BTG Pactual, Ambev (ABEV3) e Itaú (ITUB4).

Em variação, Vivo (VIVT4), Iguatemi (IGTA3) e Eletrobras PN (ELET6), com valorização de 2,23%, 2,11% e 1,43%, respectivamente, puxaram as altas hoje. Na contramão, Lojas Americanas (LAME4), CCR (CCRO3) e Usiminas (USIM5) lideraram as perdas, com quedas de 4,32%, 4,29% e 4,19%.

Quer saber como montar seu portfólio de investimentos para 2021? Descubra com a assessoria do BTG Pactual Digital


Recomendado para você

Confira abaixo os principais destaques de ações desta sessão:

Construção civil

As ações da construtora Eztec (EZTC3), que chegaram a subir 5% na máxima do dia, perderam força durante a sessão, em meio ao sentimento de maior aversão ao risco do mercado, mas ainda fecharam em alta de 0,82%. A valorização dos papéis foi impulsionada mais cedo por um relatório do Credit Suisse, divulgado hoje, que apontou que, mesmo com a alta de 25% do setor de construção civil de média renda de novembro para cá, ainda segue com visão otimista para esse segmento.

Entre as empresas, os analistas do banco destacam que preferem as companhias mais líquidas e bem posicionadas, como Eztec e Cyrela (EZTC3), apesar de manterem a recomendação outperform, equivalente a compra, para todas as ações da cobertura de média renda. Eles também revisaram o preço-alvo de Eztec, de 51,00 reais para 53,00, o que implica um potencial de valorização de 24% frente ao fechamento de ontem, e de Cyrela, de 32,00 reais para 35,00 reais, representando um potencial de alta de 16%.

Nesta sessão, as ações da Cyrela chegaram a subir mais de 3%, encerraram com queda de 1.90%.

Para Eztec, os analistas comentam que a companhia está bem posicionada para capturar o aumento nos preços em São Paulo e também conta com uma gestão de alta qualidade. Sobre Cyrela, ressaltam que a empresa também conta com um "momento operacional impressionante" junto com uma plataforma imobiliária bastante atrativa, que deve impulsionar os ganhos no curto prazo. Eles estimam uma taxa de crescimento composta (CAGR, na sigla em inglês) de 44% entre 2020 e 2023.

Os analistas também revisaram o preço-alvo de Even (EVEN3), de 16 reais para 17 reais, e Moura Dubeux (MDNE3), de 12,50 reais para 15,00 reais.

E-commerce

Como a quarta maior queda do Ibovespa hoje, apareceram as ações da Magazine Luiza (MGLU3), com desvalorização de 3,89%, sentindo o anúncio da Amazon hoje sobre a estreia no Brasil do Fulfillment By Amazon (FBA), ou Logística da Amazon. No mesmo setor, B2W (BTOW3) e Via Varejo (VVAR3) caíram 2,81% e 2,77%, respectivamente.

Com o novo serviço, a Amazon visa centralizar nos próprios centros de distribuição da companhia o armazenamento, empacotamento e envio ao consumidor final dos produtos dos vendedores do seu marketplace. Com a medida, a companhia aumenta o catálogo de produtos que recebem o selo Prime, programa de assinatura da empresa que oferece, por 9,90 reais por mês, frete grátis para vários produtos e entrega rápida. O FBA, que começou a funcionar hoje, abrange inicialmente apenas a cidade de São Paulo.

Segundo o estrategista Gustavo Cruz, da RB Investimentos, a concorrência está ficando cada vez mais apertada para as empresas brasileiras de e-commerce. "A Amazon já tem um histórico de ser bem agressiva para dominar mercados em outros países. O que acende um alerta em relação ao futuro desses outros papéis", comenta.

Além disso, ele aponta que o anúncio tem um atrativo interessante, uma vez que a Amazon vai possibilitar que os lojistas da sua rede também possam fazer entregas em 2 dias pelo Brasil, algo que já existe na própria empresa, assim como um "timing excelente". "Muitas pessoas estão com receio de ir às ruas fazer compras de Natal e o prazo de entrega será muito importante para escolher a origem da compra".

Vale 

As ações da Vale (VALE3) registraram leve baixa de 0,24%, em dia de poucos ganhos para os preços do minério de ferro. A commodity à vista negociada no porto de Qingdao, na China, registrou alta de 0,5%, indo para 150,75 a tonelada.

Ontem à noite, a mineradora informou que sua subsidiária Vale Canada assinou acordo vinculante de opção de venda de sua participação na planta de níquel na Nova Caledônia.

Segundo analistas do Credit Suisse, o evento é positivo, uma vez que a planta provou ser historicamente um ativo desafiador e de alto custo, gerando um Ebitda negativo nos últimos 5 anos (em média de 128 milhões de dólares por ano).

Eles aproveitaram para reforçar recomendação outperform, equivalente a compra, para a ação, tendo em vista o valuation "bem descontado" quando comparado a níveis históricos e boas perspectivas de retorno. No cenário-base, os analistas enxergam a empresa gerando um retorno (yield) de fluxo de caixa livre atrativo de 13% e dividend yield (dividendos sobre o preço da ação) de 6% para o próximo ano.

Adicionalmente, comentam que o contexto positivo para commodities, com rotação dos investidores de papéis de crescimento para valor, um dólar mais fraco no mundo e recuperação da China devem continuar suportando o preço das ações. "Temos visto um fluxo comprador de estrangeiros 'long only' (que apostam sempre na valorização das ações que investe) relevante", apontam.

Além disso, ainda na radar da companhia, teve início nesta tarde mais uma audiência de conciliação entre a Vale e autoridades de Minas Gerais para possível acordo em relação aos danos causados pelo rompimento de barragem da mineradora em Brumadinho. A primeira audiência ocorreu em 22 de outubro e a segunda, em 17 de novembro.

Petrobras

As ações ordinárias e preferenciais da Petrobras (PETR3; PETR4) fecharam com ganhos 0,11% e 1,05%, respectivamente, seguindo os preços do petróleo no exterior, que voltaram para o positivo. O contrato do petróleo Brent, negociado em Londres e usado como referência pela estatal, fecharam em alta de 0,25%. Durante a sessão, no entanto, chegaram a cair cerca de 1%, após o Departamento de Energia dos Estados Unidos informar que os estoques de petróleo no país subiram em 15,2 milhões de barris na semana encerrada no dia 4 de dezembro. Analistas consultados pelo Wall Street Journal estimavam queda de 1,2 milhão de barris no período. 

Ainda no radar da companhia, o BTG Pactual divulgou hoje uma atualização do seu portfólio de ações para América Latina, com a inclusão dos papéis da Petrobras na carteira, que passam a ter peso de 10%, enquanto excluiu os papéis de CCR (CCRO3), que recuam 2,8% nesta sessão.

Em relatório, assinado pelos analistas do banco, incluindo Carlos Sequeira, eles comentam que o valuation da petroleira segue atrativo mesmo com o rali recente. Desde o fim de outubro, os papéis preferenciais da companhia acumulam alta de mais de 40%. O preço-alvo das ações PN, que foi recentemente atualizado pelo banco, é de 34 reais, o que implica um potencial de valorização de 26% frente ao fechamento de ontem. 

Ânima 

Segundo informações do Valor, a Ânima estuda cindir seu braço de negócios de cursos de medicina e realizar uma oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) de ações dessa unidade, após a compra da Laureate Brasil. Com a aquisição, a empresa passou a ser um dos maiores grupos educacionais nesse curso, com 8,6 mil alunos. Nesta sessão, os papéis fecharam em leve queda de 0,18%. 

Os analistas da Exame Research comentam que a movimentação potencialmente é positiva para a Ânima, tendo em vista que, além de destravar valor, a cisão via IPO ajudaria a companhia a equalizar seu endividamento, que deu um salto após a operação com a Laureate. “Mesmo sem a vertical de saúde, a Ânima ainda teria uma base de ativos interessante, dada sua baixa dependência do modelo 100% presencial — empresas que possuem muitos cursos com essa característica, como a Cogna (COGN3), têm sofrido bastante com a pandemia”.

NotreDame Intermédica

As ações da NotreDame Intermédica (GNDI3) subiram 0,47%. A companhia anunciou hoje que sua subsidiária NotreDame Intermédica Saúde comprou por 240 milhões de reais o Lifecenter Sistema de Saúde (Hospital Lifecenter), de Belo Horizonte, com 205 leitos.

Os analistas da Exame Research comentam que, com mais essa aquisição, a empresa vai aumentando sua presença na região sudeste. "A alta complexidade das instalações do Hospital Lifecenter, com 13 salas cirúrgicas, é um atrativo extra e que deve ser bem recebido pelo mercado".

 


Leia também

Foto de Paula Barra da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Paula Barra

Repórter de mercados da Exame. Formada em jornalismo pelo Mackenzie e pós-graduada em Produtos Financeiros e Gestão de Risco pela FIA. Especializada na cobertura do mercado financeiro, com passagens pelo InfoMoney, Empiricus e TradersClub | paula.barra@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame