Exame Invest
Mercados

Aéreas caem até 8% em 2 dias; Morgan Stanley recomenda venda de Azul e Gol

PUBLICADO EM: 23.3.21 | 10H31
ATUALIZAÇÃO: 23.3.21 | 10H55
Papéis da Gol e Azul voltam a liderar as perdas do Ibovespa; banco cortou recomendação dos ADRs das duas empresas, citando cenário desafiador no médio prazo
Azul companhia aérea

(Corbis via Getty Images)

Foto de Paula Barra da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Paula Barra

Repórter de mercados da Exame. Formada em jornalismo pelo Mackenzie e pós-graduada em Produtos Financeiros e Gestão de Risco pela FIA. Especializada na cobertura do mercado financeiro, com passagens pelo InfoMoney, Empiricus e TradersClub | paula.barra@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

As ações das aéreas voltam a figurar entre as maiores quedas do Ibovespa nesta terça-feira, 23. No radar, o Morgan Stanley cortou hoje a recomendação dos American Depositary Receipts (ADRs), ou recibos de ações negociados no mercado americano, da Azul (AZUL4) e Gol (GOLL4).

Quer mudar de carreira e não sabe por onde começar? Conheça as Jornadas de Finanças e Negócios

A classificação dos papéis passou de equal-weight (equivalente a neutra) para underweight (equivalente a venda).

Às 10h30, os papéis da Gol recuavam 3,77%, puxando as perdas do índice, enquanto os da Azul registravam desvalorização de 2,59% e figuravam como a segunda maior baixa.

Em relatório, os analistas do banco comentam que a revisão ocorre devido ao ambiente difícil para demanda de passageiros no médio prazo, alta queima de caixa (com aumento dos custos dos combustíveis/desvalorização do real frente ao dólar) e valuation em patamar não atrativo.

Ontem, os papéis das companhias também registraram fortes baixas, em meio à piora da pandemia de coronavírus no país e preocupação dos investidores quanto à recuperação do setor de aviação, mais dependente da retomada econômica. Nas últimas duas sessões, as ações da Azul e Gol acumulam perdas de 7,7% e 6,3%, respectivamente.

Na semana passada, a Gol divulgou a atualização de suas operações no primeiro trimestre e anunciou que espera que seus voos no mês de março sejam cerca de 40% do número reportado no mesmo período do ano passado. Esse número mostra uma redução frente os 48% em fevereiro e 59% em janeiro.

Diante da redução na demanda por viagens aéreas por conta da pandemia, a companhia diminuiu ainda mais sua oferta, passando a operar este mês cerca de 250 voos por dia. Para o primeiro trimestre, a Gol projeta uma queima de caixa líquida de 3 milhões de reais diários.

Foto de Paula Barra da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Paula Barra

Repórter de mercados da Exame. Formada em jornalismo pelo Mackenzie e pós-graduada em Produtos Financeiros e Gestão de Risco pela FIA. Especializada na cobertura do mercado financeiro, com passagens pelo InfoMoney, Empiricus e TradersClub | paula.barra@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame