Exame Invest
Mercados

"Amazon indiana" recebe aporte do Softbank e já vale mais de US$ 37 bi

PUBLICADO EM: 12.7.21 | 8H17
Com planos de abrir capital, empresa indiana de e-commerce espera ser avaliada em até 50 bilhões de dólares

Logo da Flipkart | Foto: Danish Siddiqui/REUTERS

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

A empresa de e-commerce indiana Flipkart recebeu 3,6 bilhões de dólares em uma rodada de investimento que teve participação do Softbank. Com os novos aportes, a companhia, que pertence ao Walmart, passa a ser avaliada em 37,6 bilhões de dólares.

Com a arrecadação, a empresa de comércio eletrônico passa a valer mais do que o dobro do montante pelo qual o gigante do varejo americano Walmart comprou uma participação de 77% em 2018.

Desde o negócio com a Walmart, a Flipkart se expandiu para cidades pequenas, incluiu mais itens, como móveis e alimentos em sua loja online, e aumentou seus depósitos em sua corrida com a unidade indiana da Amazon.

A empresa sediada em Bangalore agora está explorando a abertura de capital para uma avaliação de até 50 bilhões de dólares.

Abra sua conta no BTG Pactual Digital e invista com o maior banco de investimentos da América Latina

Sua nova rodada de financiamento foi liderada pelos investidores GIC, Canada Pension Plan Investment BoaSrd, SoftBank Vision Fund 2 e Walmart e marca o retorno do SoftBank, que vendeu sua participação de aproximadamente 20% para o Walmart durante o negócio de 2018.

"O reinvestimento da SoftBank na Flipkart é impulsionado por nossa experiência e convicção na equipe de gestão da empresa em continuar atendendo às necessidades do consumidor indiano nas próximas décadas", disse Lydia Jett, sócia da SoftBank Investment Advisers.

Como sua rival Amazon, a Flipkart começou vendendo livros, mas diversificou-se rapidamente vendendo smartphones, roupas e outros itens.

"Vamos nos concentrar na aceleração do crescimento de milhões de pequenas e médias empresas indianas, incluindo kiranas", disse Kalyan Krishnamurthy, presidente-executivo da Flipkart, em um comunicado.

A rápida adoção de smartphones na Índia e os dados móveis baratos impulsionaram o crescimento de startups digitais que vendem de tudo.

Várias startups indianas proeminentes também anunciaram planos de abrir o capital para lucrar com a liquidez de fundos estrangeiros. Entre elas, estão a de entrega de comida Zomato, a de serviços de pagamentos PayTM, a marca de beleza Nykaa e o serviço de saudação de carona Ola.

Vinte e duas empresas estrearam este ano. No primeiro semestre, o volume total arrecadado em IPOs foi de 3,6 bilhões de dólares, o maior nível desde 2008. No mesmo período do ano passado, o volume arrecadado em IPOs na Índia estava em 1,1 bilhão de dólares, de acordo com a Refinitiv.

*Com informações da Reuters

Esteja sempre informado sobre as notícias que movem o mercado. Assine a EXAME

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame