Exame Invest
Mercados

Ato de 7 de setembro, nova carteira do Ibovespa e o que move os mercados

PUBLICADO EM: 6.9.21 | 7H05
ATUALIZAÇÃO: 5.9.21 | 17H21
Investidores ficam atentos ao cenário político nacional em dia de bolsas fechadas nos Estados Unidos
Bolsonaro acena a apoiadores durante manifestação na frente do Palácio do Planato

Manifestações bolsonaristas estão marcadas para o feriado de 7 de setembro | Foto: Ueslei Marcelino/Reuters (REUTERS)

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada

Repórter de mercados, passou pelas redações da revista Capital Aberto e rádio BandNews FM | beatriz.quesada@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

A instabilidade no cenário político brasileiro deve ser o grande foco das atenções dos investidores nesta segunda-feira, 6, dia em que as bolsas dos Estados Unidos estão fechadas por conta do feriado do Dia do Trabalho. Por aqui, o foco está no recesso de 7 de setembro, Dia da Independência, para quando foi convocada uma manifestação em apoio ao presidente Jair Bolsonaro.  

Pressionado pela queda de popularidade, o presidente convocou o ato em meio ao clima de tensão institucional causado por seus embates com o Supremo Tribunal Federal (STF). Bolsonaro afirmou na última sexta-feira que o 7 de setembro será ultimato para duas pessoas do Supremo. 

O presidente não citou nomes, mas, nas últimas semanas, tem focado suas críticas nos ministros Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso. O primeiro é relator do inquérito das fake news em que o presidente é investigado e o segundo, além de presidente do TSE, é contrário à bandeira do voto impresso defendida pelo chefe do Executivo. 

No TSE, ministros já discutem uma estratégia jurídica que pode deixar o presidente inelegível para a eleição de 2022 a depender de seu comportamento na manifestação de amanhã.

Reformas continuam no radar

Investidores também devem ficar atentos a movimentações em Brasília a respeito da reforma do imposto de renda, que segue esta semana para aprovação no Senado. O texto, que inclui a tributação de 15% sobre dividendos e o fim do juro sobre capital próprio (JCP), foi aprovado pela Câmara e foi o principal motivo para a queda de mais de 3% no Ibovespa na semana passada. Especialistas apontam que, caso a reforma seja aprovada no Senado como está, haverá um impacto direto na redução das expectativas de crescimento potencial do Brasil. 

Focus pós-PIB

As perspectivas de crescimento, a propósito, podem estar próximas de serem revisadas para baixo. O Banco Central divulga, às 8h30, a primeira pesquisa Focus após a divulgação do PIB do segundo trimestre, que decepcionou o mercado. A expectativa era de um crescimento de 0,2% no trimestre, enquanto houve uma retração de 0,1% no período. Mesmo ficando apenas ligeiramente abaixo das expectativas, o dado já foi o suficiente para que algumas casas começassem a revisar suas previsões para 2021. Na última pesquisa, a estimativa de crescimento em 2021 recuou em 0,05 ponto percentual, para 5,22%, enquanto, para 2022, a expansão do PIB continuou estimada em 2,00%.

Nova carteira do Ibovespa

A nova carteira do Ibovespa, que vai vigorar entre os meses de setembro e dezembro, passa a valer nesta segunda-feira. Nenhuma ação foi excluída, e sete novos papéis passaram a fazer parte do índice. São eles: Alpargatas PN (ALPA4), Banco Inter PN (BIDI4), Banco Pan PN (BPAN4), Méliuz ON (CASH3), Rede D'Or ON (RDOR3), Dexco ON, ex-Duratex (DXCO3) e Petz ON (PETZ3).Com isso, o Ibovespa passará a ser composto por 91 ativos, ante os 84 atuais.

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada

Repórter de mercados, passou pelas redações da revista Capital Aberto e rádio BandNews FM | beatriz.quesada@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame