MERCADOS

Aumento da Selic é positivo para a bolsa, diz Aline Cardoso, da EQI Asset

PUBLICADO EM: 21.3.21 | 8H00
ATUALIZAÇÃO: 22.3.21 | 14H23
Gestora diz que elevação da taxa foi necessária e destaca que avanço da vacinação é a única saída para a recuperação econômica, o que beneficiará mais as ações
Aline Cardoso, gestora e analista de renda variável da EQI Asset

"O BC finalmente tomou as rédeas em relação à curva de juros, o que é uma sinalização positiva para os mercados", diz Aline Cardoso, da EQI Asset

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada

Repórter de mercados, passou pelas redações da revista Capital Aberto e rádio BandNews FM | beatriz.quesada@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 5MIN

A decisão do Banco Central de aumentar a taxa básica de juros para 2,75% ao ano não surpreendeu a EQI Asset. A gestora da EQI Investimentos precificava, antes do anúncio, um aumento mais agressivo que o 0,5 ponto percentual esperado pela maior parte do mercado. Agora, se prepara para uma Selic de ao menos 5% ao ano até o final de 2021.

Este será o primeiro ciclo de alta da Selic desde 2015, quando a taxa começou a despencar até chegar à mínima histórica de 2% ao ano em agosto de 2020. As menores taxas de juros da história brasileira recente desencadearam um movimento em que milhões de investidores entraram na bolsa em busca de maior rentabilidade.

Quer impulsionar a sua carreira? Participe da Jornada de Finanças e Negócios

O aumento da taxa Selic para um patamar em torno de 5% ao ano levanta dúvidas sobre o potencial impacto na migração de investidores e recursos para as ações das empresas. Para Aline Cardoso, gestora e analista de renda variável da EQI Asseta alta da Selic deve ser positiva para o investimento em bolsa.  

“Quando o BC eleva a taxa e mostra que está disposto a continuar aumentando a Selic para diminuir a expectativa de inflação, a curva de juros a longo prazo diminui. E isso é bom para a bolsa”, disse em entrevista à EXAME Invest. Cardoso chegou à EQI Asset depois de passagens por Trafalgar, HSBC, Bradesco e Santander, entre outros.

A gestora acredita que a elevação da Selic foi essencial para precificar o risco de investir no Brasil, que aumentou muito com o agravamento da situação fiscal em meio à pandemia. Por outro lado, ressalta que nada adianta reprecificar o risco se o país continuar sem perspectiva de recuperação. 

“A única solução que temos é a vacinação. Se o governo não for capaz de concretizar isso, corremos o risco de entrar em um estado de estagflação, em que teremos inflação somada à falta de recuperação econômica. É um cenário péssimo para a bolsa e para o Brasil.”

Cardoso também comentou sobre o impacto da decisão de juros sobre o câmbio e falou sobre as consequências das decisões do Fed, o banco central americano, para a bolsa brasileira. Confira abaixo a entrevista de Aline Cardoso à EXAME Invest:  

Qual o impacto do aumento da Selic para a bolsa?

A expectativa é que a curva longa de juros caia. A bolsa responde muito mais à curva longa do que à curta. Quando o BC eleva a taxa e mostra que está disposto a continuar aumentando a Selic de modo a diminuir a expectativa de inflação, a curva de juros a longo prazo diminui. E isso é bom para a bolsa.

A impressão anterior do mercado era que o Banco Central estava muito atrás da curva, deixando o risco inflacionário correr solto. Agora o BC finalmente tomou as rédeas em relação à curva de juros, o que é uma sinalização positiva para os mercados.

Por que isso é importante?

A sinalização do BC quer mostrar que o Brasil não vai entrar em uma situação de descontrole inflacionário. Se a taxa fosse mantida, a curva longa de juros abriria muito e pesaria na bolsa, porque são esses juros longos os que têm maior correlação com o desempenho da renda variável. 

A taxa de juros a longo prazo é o que a gente usa para fazer o modelo de fluxo de caixa descontado [cálculo, em valores atuais, de qual é o retorno que a empresa pode gerar no futuro]. Então, se a curva de juros longa está inclinada, gera um impacto negativo no fluxo de caixa da empresa trazido a valor presente.

Seria também muito ruim para o real, que sofreria uma desvalorização muito grande.

O aumento da taxa Selic favorece o real. É o suficiente para o investidor estrangeiro procurar a bolsa brasileira?

Acredito que o fluxo de investimento estrangeiro não deve aumentar apenas com esse aumento de 0,75 ponto percentual, mas já é alguma coisa. Em um mundo de juros reais negativos, como é o caso dos Estados Unidos, um juro mais alto no Brasil pode atrair o capital estrangeiro, sim.

Isso porque existe a taxa de carregamento. Quem está investido em real contra o dólar, por exemplo, lucra com a diferença entre os juros brasileiros e os americanos ganha esse spread

Atualmente, a taxa americana está zerada. Então, tecnicamente, nossa Selic anterior de 2% já representaria um ganho para o gringo. Mas esses 2% eram suficientes para aceitar o risco Brasil? Sendo um país com péssima condução da pandemia e toda hora um ruído político diferente?

O mercado mostrou, através da desvalorização do real, que 2% eram pouco para enfrentar o desafio. Agora, com 2,75%, melhora um pouco melhor ainda caso chegue a 5% no final do ano. O real fica mais atrativo.

Como a decisão de juros nos Estados Unidos impacta a bolsa brasileira?

O Fed está confiante e disse que vai manter a taxa de juros próxima a zero até 2023. O comunicado não foi bem recebido pelo mercado, que esperava que o Fed se mostrasse preocupado não com o nível do rendimento dos Treasuries mas com a velocidade do aumento.

A taxa [usada como termômetro no mercado para medir as expectativas de inflação nos EUA] passou de 1% para 1,75% em menos de três meses. O mercado fica preocupado que essa velocidade de alta das treasuries de longo prazo abortar o início de recuperação econômica que estamos vendo nos Estados Unidos.

Para a nossa bolsa, o efeito é negativo principalmente pela velocidade, impacta bastante os mercados emergentes.

Mostra o que chamamos de [fenômeno da] maré alta. Desde novembro, todos os mercados estavam nadando em liquidez e não dava para saber quem estava de calção e quem estava nadando pelado. Só que a aceleração do rendimento dos Treasuries começa a drenar essa liquidez e mostra quem é que estava nadando pelado: os países emergentes em situação fiscal frágil, especialmente Brasil, África do Sul e Turquia.

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

 

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada

Repórter de mercados, passou pelas redações da revista Capital Aberto e rádio BandNews FM | beatriz.quesada@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame