MERCADOS

BTG Pactual compra Empiricus e Vitreo por R$ 690 milhões

PUBLICADO EM: 31.5.21 | 8H18
ATUALIZAÇÃO: 31.5.21 | 9H03
Aquisição do Grupo Universa é novo passo na estratégia de ganho de escala do BTG Pactual digital, a divisão do banco voltada para o investidor de varejo
Sede do BTG, na Av Faria LIma/ São Paulo Foto: Germano Lüders 10/08/2020

Sede do BTG Pactual na avenida Faria LIma, em São Paulo | Foto: Germano Lüders/EXAME

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

O BTG Pactual (BPAC11) anunciou ao mercado nesta manhã de segunda-feira, 31 de maio, a aquisição integral do Grupo Universa, que reúne as empresas Empiricus, Vitreo, Money Times, Seu Dinheiro e Real Valor. O valor do negócio é de 690 milhões de reais, dos quais 440 milhões de reais em dinheiro à vista e 250 milhões de reais em units do banco. Poderá haver ainda desembolso de valores adicionais nos próximos quatro anos condicionado a metas.

Para o BTG (do mesmo grupo que controla a EXAME), o negócio se insere na estratégia de ganho de escala e de rentabilizar o investimento superior a 1 bilhão de reais realizado na plataforma digital.

"O negócio é resultado de um relacionamento de longo prazo e construído com base no respeito e na admiração mútua, mas somente recentemente começamos a falar sobre parcerias e outras alternativas mais concretas", disse Marcelo Flora, sócio responsável pelo BTG Pactual digital, sobre a compra do Grupo Universa.

Assine a EXAME e tenha acesso ao melhor conteúdo sobre investimentos, carreiras e muito mais

A Universa, por sua vez, ganha musculatura financeira e de desenvolvimento para ampliar sua atuação junto ao investidor pessoa física. Segundo o comunicado, as marcas vão continuar a atuar de maneira separada do BTG, com independência editorial e para criação de produtos, mas serão exploradas sinergias operacionais e estratégicas.

A Empiricus é a maior e mais conhecida casa de análises do país, com 425.00 clientes. Foi fundada em 2009 por Felipe Miranda, Caio Mesquita e Rodolfo Amstalden. Eles continuarão à frente da operação.

A Vitreo, que nasceu como gestora em 2018 e se transformou em corretora, tem atualmente 11 bilhões de reais sob custódia. Tem como sócios-fundadores George Wachsmann, o Jojo, que é o CIO (head de investimentos), Patrick O'Grady, Paulo Lemann e Alexandre Aoude, entre outros. Wachsmann continuará à frente da Vitreo.

Tem crescido a um ritmo médio de 4% ao mês, com apelo junto a investidores de varejo por replicar em parte as recomendações da Empiricus e por lançar fundos temáticos, como os de tecnologia na Ásia e o de cannabis.

Estratégia de negócios

Ao longo dos dois últimos anos, o BTG tem acelerado o crescimento de sua plataforma digital voltada para o investidor de varejo, tanto de forma orgânica como por meio de aquisições.

É uma lista que inclui Fator Corretora, Kawa Capital, Kinvo, Necton Investimentos, Ourinvest e Network Partners, para ficar nos negócios mais conhecidos no mercado de capitais, além da sociedade com a EQI Investimentos, a Acqua-Vero Investimentos e outros escritórios de agentes autônomos.

Em setembro do ano passado, no lançamento do banco digital BTG+, o CEO do BTG, Roberto Sallouti, destacou que a unidade de varejo digital vinha ganhando peso nas receitas, no número de funcionários e no resultado do banco trimestre a trimestre. Segundo ele, a unidade pode chegar a responder por 50% do resultado em até cinco anos.

O BTG Pactual digital atua por meio de quatro grandes canais:

1) B2C: foi a primeira operação e que conta com o marketing online para a aquisição de clientes.

2) B2B: É a operação que foi resultado da aquisição da Network Partners em 2018. É a frente dos agentes autônomos, que tem crescido de forma orgânica e por meio de parcerias com alguns dos maiores escritórios do país.

3) Advisors: Frente que nasceu a partir da aquisição da Ourinvest em 2019. Os assessores são funcionários e comissionados.

4) Necton: É a frente que atua de forma independente, com forte atuação junto a investidores institucionais, que respondem por mais da metade das receitas nesse canal. Veio da aquisição anunciada em outubro passado.

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame