Exame Invest
Mercados

BTG Pactual tem lucro 52% maior no 1º tri e captação recorde de recursos

PUBLICADO EM: 11.5.21 | 8H15
ATUALIZAÇÃO: 11.5.21 | 11H18
Banco de investimento encerra o trimestre com R$ 767 bilhões em ativos sob gestão, com crescimento de 79% na comparação anual
BTG Pactual, trade floor

Sede do BTG Pactual em São Paulo: crescimento acima de 50% no lucro no primeiro trimestre

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

O BTG Pactual (BPAC11) registrou lucro líquido ajustado de 1,197 bilhão de reais no primeiro trimestre de 2021, 52% acima do apresentado no mesmo período de 2020, segundo resultado divulgado ao mercado nesta manhã de terça-feira, 11 de maio.

“Tivemos mais um trimestre forte, registrando resultados sólidos e elevado crescimento em todas as linhas de negócio”, afirmou Roberto Sallouti, CEO do BTG Pactual.

Assine a EXAME e tenha acesso ao melhor conteúdo sobre investimentos, carreiras e muito mais

"Continuamos desenvolvendo nossa agenda de aquisições estratégicas para expandir a nossa presença no varejo, oferecer mais produtos e o melhor serviço aos clientes. Seguimos fortalecendo nossas iniciativas ESG e de investimentos de impacto, reafirmando nosso compromisso com a sociedade e com nossos colaboradores”, completou Sallouti.

A referência às "aquisições estratégicas" não foi à toa: neste ano, o BTG adquiriu a fintech Kinvo, considerada a maior plataforma de consolidação de investimentos do país, a participação na gestora Kawa Capital, que atua nos Estados Unidos, e a Fator Corretora. Além disso, assinou contrato para adquirir as ações ordinárias do Banco Pan em poder da Caixa.

Neste ano, as ações do BTG acumulam valorização de 19,5%, o que elevou o valor de mercado do banco para 122,7 bilhões de reais, segundo dados da B3. Em um ano, as ações triplicaram de valor (+208%).

Na comparação com o quarto trimestre, houve queda do lucro em 4,8%. Isso porque, no período, o BTG (que pertence ao mesmo grupo que controla a EXAME) aumentou em 16,2% suas despesas operacionais para maior provisão de bônus em razão do "forte desempenho" e para salários, tendo em vista que o quadro de funcionários aumentou em 9%.

O banco encerrou o trimestre com 767 bilhões de reais em ativos sob gestão, incluindo a gestora (Asset Management) e a área de patrimônio (Wealth Management). Foi um crescimento de 79% na comparação anual. A captação líquida foi recorde nos três primeiros meses do ano, totalizando 76 bilhões de reais.

As receitas do BTG cresceram 84,18%, para 2,796 bilhões de reais, em relação ao mesmo período de 2020. "Continuamos apresentando um forte desempenho, principalmente em nossas franquias de clientes, o que resulta em uma tendência de crescimento de nossas receitas operacionais", afirmou o banco no balanço.

O banco conseguiu aumentar sua principal fonte de receita, a divisão de sales & trading (responsável pela recomendação e execução de compra e venda de ações, títulos e outros ativos), em 8%, para 811 milhões de reais. O resultado foi possível graças ao nível recorde de atividade de clientes e ao "bom desempenho das mesas de crédito, ações e energia". Em relação ao primeiro trimestre do ano passado, a área cresceu 78,2%.

Mas nenhuma frente de negócios do BTG cresceu mais que a de investment banking em um ano. Com aumento de 156%, a área teve receita de 484 milhões de reais, ficando apenas 6% abaixo do registrado no último trimestre, que foi o melhor desempenho da história do banco. É a área que cuida de operações de emissão de dívida, de ofertas de ações e de fusões e aquisições de empresas, entre outras atividades.

A frente de gestão de fortunas também cresceu de forma significativa, aumentando sua receita em 19% no trimestre, para 295 milhões de reais. Com o resultado, a área superou a de asset management e se tornou a quarta maior fonte de receita do banco.

Embora tenha sido afetada por efeitos sazonais, a Asset do banco registrou recorde de captação de recursos, com 42,9 bilhões de reais no trimestre, elevando os ativos sob gestão e administração para 449,9 bilhões de reais. A entrada de recursos ocorreu principalmente em administração fiduciária e nos fundos de renda fixarenda fixa e de ações.

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame