Exame Invest
Mercados

Com mais de 15 mil investidores brasileiros, Ant suspende super IPO

PUBLICADO EM: 3.11.20 | 12H14
ATUALIZAÇÃO: 9.11.20 | 10H07
Adiamento ocorreu após reunião de Jack Ma com membros de agências reguladoras; IPO levantaria mais de 30 bilhões de dólares, segundo estimativas
Ant Group

Ant Financial: empresa faria o maior IPO da história

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

O gigante Ant Group decidiu adiar aquele que seria a maior oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) da história, segundo informações do Washington Post. Ainda de acordo com a publicação, o adiamento ocorreu um dia após o bilionário Jack Ma, do império Alibaba e acionista controlador da empresa, se reunir com membros de agências reguladoras.

A empresa é a responsável por operar a carteira digital da Alipay. A expectativa era que a oferta levantasse 34,4 bilhões de dólares em IPOs simultâneos nas bolsas de Xangai e Hong Kong, que seriam realizados nesta quinta-feira, 5. Nos Estados Unidos, as ADRs da Alibaba, que têm participação de 33% no Ant Group, despencam mais de 6%, apesar dos principais índices acionários subirem nesta terça-feira, 3.

Quer mais que o vaivém da  bolsa? As oportunidades em renda fixa seguem valiosas. Descubra cada uma delas com o BTG Pactual.

Parte dos investidores brasileiros participariam da oferta por meio do fundo da gestora Vitreo Tech Asia. O fundo tinha cerca de 16 mil cotistas e 257 milhões de reais de patrimônio líquido.

Em entrevista à Exame, Rodrigo Knudsen, gestor da Vitreo, disse que a gestora ficou sabendo do adiamento do IPO pela imprensa americana e que ainda espera um posicionamento oficial da empresa sobre os desdobramentos da oferta. "A gente não sabe se foi adiado para daqui dois dias, uma semana, um mês ou se vai ser cancelado", diz. "Investir na China sempre tem esse risco: a falta de informação. Eles não são transparentes e isso faz parte do risco/retorno."

Segundo ele, a decisão de voltar a entrar no IPO vai depender do nível de preço. "O preço pode mudar. Então vamos ter que avaliar quanto vale a empresa. Não existe um 'vamos entrar a qualquer preço'", afirma.

Embora parte do patrimônio do fundo já estivesse alocado no IPO, Knudesn conta que os efeitos sobre sua rentabilidade foram "praticamente nulos". "A intenção era entrar com 20% do fundo, mas a oferta estava muito quente e todo mundo que estava alocado acabou recebendo um percentual pequeno do que estava alocado", conta. Do mais de 250 milhões do Tech Asia, somente 0,1% seria destinado à oferta e, dependendo do nível de preços dos papéis na estreia, o percentual poderia ser elevado, no máximo, para 20%. "Mas se desse 15% já seria uma bela aquisição."

Knudsen, por outro lado, lembra que a ideia inicial da Vitreo nunca foi montar o fundo Tech Asia para investir exclusivamente nos papéis do Ant Group, e sim, de forma geral, em empresas de tecnologia do continente. "O fundo deve cair um pouco, devido ao mal humor que deve recair sobre empresas parecidas [com o Ant Financial]. Mas no médio e longo prazo o cenário ainda é positivo", diz.

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame