Exame Invest
Mercados

Credit Suisse reforça aposta em Suzano após resultado surpreendente

PUBLICADO EM: 11.2.21 | 9H23
ATUALIZAÇÃO: 11.2.21 | 15H20
Analistas veem a empresa como a mais bem posicionada para aproveitar a alta do preço da celulose
Suzano; Fibria; Produção; Papel e Celulose; Fábrica

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Analistas do Credit Suisse reforçaram a expectativa de que as ações da Suzano (SUZB3) tenham um desempenho acima da média de mercado, após o forte resultado da companhia, divulgado na noite de quarta-feira, 10. 

Conheça o maior banco de investimentos da América Latina e invista com os melhores assessores

No quarto trimestre, a empresa registrou lucro líquido de 5,91 bilhões de reais, 74,3% superior à mediana das projeções de mercado colhidas pela Bloomberg, que era de 3,39 bilhões de reais. O lucro foi 400% maior que o do mesmo período de 2019.

“Mantivemos a Suzano como nossa aposta preferida para uma recuperação contínua do preço da celulose, que esperamos continuar pelo menos até junho”, afirmam em relatório os analistas Caio Ribeiro, Gabriel Galvão, e Gabriel Spillmann.

Embora parte do forte resultado seja em função de ganhos com operações financeiras, os analistas da casa destacam o bom desempenho operacional. 

Fique por dentro da temática ESG, cada vez mais relevante para as empresa. Aprenda com a EXAME Academy

Em relação ao trimestre anterior, a empresa aumentou o volume de vendas de celulose em 5% e as de papel, em 11%. Frente ao mesmo período do ano passado, as vendas totais cresceram 12%. Já o nível de produção, embora também tenha crescido, ficou abaixo do volume de vendas, sinalizando uma queda dos estoques.

“Muitos [investidores] estavam esperando embarques mais fracos devido à alta concentração de paradas para manutenção. No entanto, a Suzano conseguiu não apenas entregar um crescimento nos embarques, mas também reduziu seu estoque.  Isso, em nossa opinião, pode contribuir ainda mais para o sentimento de escassez de celulose no setor."

Com o aumento das vendas, a receita líquida da companhia teve alta de 14% na comparação anual e fechou o quarto trimestre em 8,013 bilhões de reais. No ano, a receita líquida foi de 30.460 bilhões de reais, 17% superior à de 2019.

A empresa, porém, não vem ganhando os holofotes apenas por seu resultado operacional, mas também por ser uma das líderes do mercado brasileiro em boas práticas ESG (ambiental, social e governança, na sigla em inglês).

Além de sequestrar o carbono emitido por meio de suas áreas de reflorestamento, a empresa tem se esforçado na busca por um uso mais eficiente da água, redução de resíduos e aumento do uso de energia de fontes renováveis, diz Renata Faber, analista de ESG da Exame Research.

"Os altos padrões de sustentabilidade se traduziram em menor custo de dívida para a Suzano e a Klabin. Em setembro de 2020, a Suzano foi a segunda empresa no mundo a conseguir emitir um título de dívida sustentável no mercado de capitais, transformando suas boas práticas ESG em benefícios monetários", ressalta. "Essa foi a captação com menor custo na história."

Em 2021, as ações da Suzano acumulam alta de 16,50% - o quarto melhor desempenho do Ibovespa no ano. Somente ontem, os papéis subiram 2,25% na expectativa pelo balanço.

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame