Exame Invest
Mercados

Desemprego americano, Equatorial, Sinqia e o que mais move o mercado

PUBLICADO EM: 3.9.21 | 7H07
ATUALIZAÇÃO: 3.9.21 | 8H12
Bolsas avançam à espera do payroll, o relatório oficial de empregos urbanos dos Estados Unidos

Placa de contratação em Burger King da Pensilvânia, nos Estados Unidos | Foto: Paul Weaver/SOPA Images/LightRocket via Getty Images (SOPA Images/LightRocket via Gett)

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

As principais bolsas internacionais apresentam leve alta na manhã desta sexta-feira, 3, com investidores à espera de dados do mercado de trabalho americano, previstos para serem divulgados nesta manhã, às 9h30.

O número mais aguardado é o de criação de empregos não agrícolas, o payroll. A expectativa é de que tenham sido criados 750.000 novos postos de trabalho em agosto contra 943.000 do mês anterior. Por outro lado, os dados do ADP, conhecidos como “prévia do payroll” e já apresentados nesta semana, saíram bem abaixo das expectativas de 613.000 empregos, ficando em 374.000.

Na quarta-feira, 1, quando o ADP saiu abaixo do consenso, o mercado retomou suas apostas em ativos de risco, na esperança de que os números negativos ajude a manter os estímulos do Federal Reserve por mais tempo. 

Para a taxa de desemprego americana, que será divulgada junto com o payroll, o consenso de mercado é de uma leve queda dos atuais 5,4% para 5,2%.

Até lá, o mercado deve seguir digerindo dados da economia europeia, que saíram ao longo desta madrugada, com todos os indicadores abaixo das expectativas. Na Zona do Euro, as vendas do varejo tiveram contração mensal de 2,3% em julho ante expectativa de alta de 0,1%. 

Já os índices de gerente de compras (PMIs, na sigla em inglês) composto e de serviços para agosto ficaram todos abaixo do esperado tanto na região quanto nos principais países do continente. Os números, porém, seguem apontando para uma recuperação econômica sólida, bem acima da linha dos 50 pontos que divide a retração da expansão da atividade. 

No Brasil, o Ibovespa vem de sua maior queda desde julho, com investidores precificando a taxação de dividendos e fim do juro sobre capital próprio, aprovados pela Câmara como parte da reforma do imposto de renda. No último pregão, o índice caiu 2,28%. Resta saber se, caso o tom positivo do mercado internacional se confirme, o Ibovespa irá acompanhar as altas ou terá sua dinâmica própria - e negativa.

Equatorial

A Equatorial (EQTL3) venceu o leilão pela concessão da prestação de serviços de saneamento para os municípios do Amapá em consórcio formado com a SAM Ambiental Energia. Com 80% de participação da Equatorial, o consórcio fez oferta de 930 milhões de reais. O investimento marca a entrada da empresa no segmento. 

Sinqia

A precificação da oferta subsequente (follow-on) da Sinqia (SQIA3) saiu por 23 reais por ação, resultando em um montante de 400 milhões de reais. Segundo a empresa, o dinheiro será usado para aquisições e investimentos no mercado de softwares de aplicativos para o setor financeiro. Um dos últimos aportes feitos pela companhia nesse sentido foi a compra de participação na Celcoin.

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame