Exame Invest
Mercados

Desemprego americano, JBS, Americanas e Marisa e o que mais move o mercado

PUBLICADO EM: 6.8.21 | 7H09
ATUALIZAÇÃO: 6.8.21 | 8H44
Bolsas operam próximas da estabilidade à espera de dados sobre criação de empregos nos Estados Unidos
JBS: balanço desta quarta-feira deve mostrar mais um trimestre de resultados fortes (Ueslei Marcelino/Reuters)

JBS entra no mercado de peixes com aquisição na Austrália | Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

O tom de cautela predomina no mercado internacional nesta manhã de sexta-feira, 6, com as bolsas oscilando próximas da estabilidade, enquanto investidores aguardam pelos dados oficiais do mercado de trabalho americano.

Previsto para às 9h30, o relatório de empregos não agrícolas, o payroll, deve relevar a criação de 870.000 postos de trabalho, segundo as estimativas de mercado. A divulgação ocorre após uma grande frustração com os dados de empregos privados, que saíram abaixo das expectativas nesta semana. Na quarta-feira, 6, o ADP mostrou 330.000 novos empregos, menos da metade do consenso, que era de 695.000.

O payroll, considerado o dado mais relevante da economia americana, também deve ser analisado de perto pelos membros do Federal Reserve, que aguardam uma recuperação mais sólida do mercado de trabalho antes de iniciar a retirada de estímulos monetários. Junto com o payroll será divulgada a taxa de desemprego dos Estados Unidos. O consenso é de uma leve queda de 5,9% para 5,7% da população. Em julho do ano passado, o desemprego estava acima de 10%.

No Brasil, onde não há grandes divulgações macroeconômicas previstas para hoje, investidores devem seguir atentos às manobras do governo relacionadas à parte fiscal e ao cenário corporativo.

JBS

A JBS (JBSS3) entrou no setor de criação de animais marinhos com a aquisição da Huon, segunda maior produtora de salmão da Austrália. A operação envolve a compra por 3,5 dólares australianos de todas as ações emitidas pela Huon, que é listada na bolsa de Sydney. Com a oferta, o valor de mercado da companhia é avaliado em 425 dólares australianos, cerca de 1,65 bilhão de reais. 

“Trata-se de uma aquisição estratégica, que marca a entrada da JBS no negócio de aquicultura. Vamos repetir o que fizemos anteriormente com frango, suínos e produtos de valor agregado para deixar nosso portfólio ainda mais abrangente”, afirma Gilberto Tomazoni, CEO Global da JBS em fato relevante. 

Americanas e Marisa?

As Americanas (AMER3) soltou um fato relevante alegando “vazamento de informações” sobre um suposto interesse de uma operação conjunta com a Marisa (AMAR3). Segundo documento, “assessores da Americanas mantiveram contato preliminar com os assessores da Marisa”, mas não houve qualquer tipo de formalização de interesse, ao menos ainda. 

Em paralelo, a Marisa soltou um fato relevante informando a contratação da consultoria Lazard para “avaliar alternativas de otimização de sua estrutura de capital”. A empresa também afirmou que, apesar de “rumores de mercado”, ”não possui neste momento qualquer acordo concreto para a realização de uma operação, seja com as Americanas, seja com outro participante de mercado”.

Balanços

Com a agenda de balanços mais morna, nesta sexta somente o Banco ABC (ABCB3) e a M. Dias Branco (MDIA3) irão reportar seus respectivos resultados do segundo trimestre. 

No pregão de hoje, investidores devem repercutir os balanços da última noite. Entre eles estão os da Hering (HGTX3), JHSF (JHSF3), Tupy (TUPY3), Engie (EGIE3), BK Brasil (BKBR3) e Eneva (ENEV3). 

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame