Exame Invest
Mercados

Devant quer levantar R$ 200 milhões em IPO de seu primeiro FII de tijolo

PUBLICADO EM: 16.9.21 | 6H20
ATUALIZAÇÃO: 16.9.21 | 7H07
Fundo imobiliário terá foco inicial em galpões logísticos; data centers estão no alvo para próximos produtos
devant-gestora

Bruno Eiras (à direita): sócio-fundador e diretor de gestão da Devant

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

A gestora de renda fixa e ativos imobiliários Devant está estruturando a oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) de seu primeiro fundo de investimentos imobiliários (FII) de tijolo. A expectativa é ter o produto negociado na B3 até o fim deste ano. 

O novo fundo irá complementar o portfólio da gestora, que já possui outros dois FIIs listados na B3: o DEVA11, de papel, e o fundo de fundos DVFF11. 

“Estamos em um bom momento, com o mercado vendo nosso valor na parte de real estate. A decisão de criar um fundo de tijolo acabou sendo natural”, comenta Bruno Eiras, sócio-fundador e diretor de gestão da Devant, em entrevista à EXAME Invest

Eiras conta que o fundo terá liberdade para conduzir sua gestão de acordo com as melhores oportunidades do mercado, mas seu foco inicial será em galpões logísticos. 

“Há uma demanda latente por galpões próximos às principais cidades devido à expansão do e-commerce, que ainda está começando no Brasil. Para atingir níveis de uma economia moderna, que deve acontecer, as vendas digitais precisam dobrar. É um caminho sem volta”, afirma.

Além dos galpões, a Devant tem estudado potenciais oportunidades de negócio em data centers e em lajes corporativas. O gestor do fundo será Christiano Moreira, que começou os trabalhos na empresa no início deste mês, também assumindo participação como sócio da Devant. 

Com 14 anos de experiência no mercado imobiliário, Moreira tem passagens pela área de Real Estate do Walmart e pela gestora de private equity imobiliário VBI. Na Devant, onde começou a trabalhar no início de setembro, o gestor também se tornou sócio. 

Para colocar o fundo de pé, a Devant espera levantar entre 150 e 200 milhões de reais no IPO. “Já tem aparecido bons projetos e investidores interessados”, diz Eiras. Segundo ele, o fundo tem capacidade de crescer de 5 a 10 vezes até 2023. 

“É para ser um fundo bem grande. Em 2 anos, ele pode ser um fundo de 1 bilhão ou 1,5 bilhão de reais tranquilamente. Vai depender das janelas de captação e boas oportunidades aparecerem. Estamos bem otimistas, mesmo com riscos fiscais e polarização política”, afirma.

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame