Exame Invest
Mercados

Dólar mais forte: por que a tese prevalece com novos sinais do Fed

PUBLICADO EM: 25.11.21 | 8H54
Ata da última reunião do Fed reforça preocupação maior com a inflação e algum desejo de tapering, o processo de redução de estímulos, mais intenso

Jerome Powell: presidente do Federal Reserve | Foto: Al Drago/The New York Times/Bloomberg (Bloomberg)

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

A tese do dólar mais valorizado globalmente contra outras moedas, incluindo o real, ganhou força com novos sinais emitidos pelo Federal Reserve (Fed), o banco central americano.

A divulgação da ata da última reunião do FOMC, o comitê de política monetária do Fed, nesta quarta-feira, dia 24, à tarde mostrou que a avaliação de que a inflação na maior economia do mundo é transitória perdeu força.

"Os membros continuam divididos, algo que já aparece de forma clara nos discursos: parte gostaria de acelerar o ritmo de redução em novembro (hoje em US$ 15 bilhões), mas outros ainda preferem esperar novos dados para a tomada desta decisão (eventualmente em dezembro). Não descartamos essa possibilidade para 15 de dezembro", aponta em relatório o time de Macro Research do BTG Pactual digital, liderado pelo economista Álvaro Frasson.

"O diagnóstico oficial mudou para uma inflação com a 'expectativa' de ser transitória, revelando preocupação maior que  a sinalizada antes. Dessa forma, reforça a precificação do mercado de alta de juros de forma antecipada: não mais na virada do terceiro para o quarto trimestre, mas entre o segundo e o terceiro (em especial junho ou julho)."

Segundo os especialistas do time de Estratégia Macro, "o FOMC continua chamando atenção para a surpresa com a longevidade dos problemas nas cadeias de suprimentos, impactando ainda mais os custos".

Qual o impacto para o mercado?

O relatório aponta dois efeitos principais: (1) alta de juros em meados de 2022 precificadas nas curvas curtas e (2) mudança na assimetria para abertura da curva de juro.

Sobre o primeiro efeito, o relatório do time de Macro Research do BTG Pactual digital analisa: "desde a reunião do FOMC em junho, com a mudança de tom de alguns membros do Fed e alterações das projeções, o mercado pavimentou o cenário da taxa de juro (fed funds rate) subir antes do esperado. Esse movimento ganhou ainda mais força na reunião de setembro e novembro (tapering) – com o mercado apostando em alta já no mês de junho e com possíveis três altas para 2022".

Sobre o segundo impacto, aponta: "ainda vemos um ambiente de diferencial de juro das economias maduras e também emergentes, que promovem um ambiente de sustentação para o dólar global permanecer no patamar mais forte, conforme nossa visão dos últimos 3 meses".

"Em linha com nossa avaliação anterior, 'o anúncio do tapering nos próximos meses terá um efeito mais suave do que aquele de 2013', o que vem se confirmando num mercado acionário resiliente. A assimetria para a parte curta da curva de juros reduziu, com o mercado olhando mais a inclinação da parte intermediária (de 2 anos a 5 anos), bem como a evolução do juro real".

Diante desse quadro, o time de Macro Research aponta que as estratégias globais devem seguir pontos como o fortalecimento do dólar global, enquanto o BCE [Banco Central Europeu] se movimenta de forma mais lenta na
Europa; e a sobrealocação em posições para proteção de inflação, entre outros.

"Seguimos com nosso call de dólar global mais forte", aponta o relatório.

O relatório completo com a análise está disponível no site do BTG Pactual digital. Clique aqui para conhecer.

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame