Exame Invest
Mercados

Evergrande adia dívida após CEO dar próprio patrimônio como garantia

PUBLICADO EM: 21.10.21 | 8H27
ATUALIZAÇÃO: 21.10.21 | 10H45
Extensão da dívida ocorre após empresa ter falhado em levantar 2,6 bilhões de dólares com venda de participação em unidade de serviços imobiliários

Logo da sede da Evergrande, em Xangai | Foto: Aly Song/Reuters (REUTERS)

Imagem da Editoria Exame Invest
Reuters



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 5MIN

A chinesa Evergrande garantiu uma extensão de um título inadimplente, o segundo relatou o provedor financeiro REDD, nesta quinta-feira, 21, oferecendo uma rara trégua um dia após o fracasso de um acordo para vender uma participação de 2,6 bilhões de dólares em sua unidade de serviços imobiliários.

A Evergrande ganhou uma extensão de mais de três meses para o vencimento de um título de 260 milhões de dólares, emitido pela joint venture Jumbo Fortune Enterprises, após a empresa concordar em fornecer garantia extra, relatou REDD.

Uma fonte familiarizada com o assunto disse que o presidente da Evergrande, Hui Ka Yan, ofereceu injetar riqueza pessoal em um projeto residencial chinês vinculado ao título para garantir que ele seja concluído, abrindo caminho para que os detentores dos títulos recebam suas dívidas.

Os detentores de títulos concordaram com a proposta para evitar um colapso da companhia ou uma batalha legal prolongada, disse a fonte à Reuters.

A Evergrande não respondeu aos pedidos de comentários da Reuters.

O adiamento da dívida ocorre depois que a Evergrande ter cancelado cancelou um acordo para vender uma participação de 50,1% na Evergrande Property Services Group Ltd para a Hopson Development Holdings Ltd. Segundo a Evergrande, a empresa compradora não cumpriu o "pré-requisito para fazer uma oferta geral".

Ambos os lados trocaram a culpa pelo fracasso do negócio, com a Hopson dizendo que não aceita "qualquer substância" na rescisão do acordo de vendas da Evergrande e está explorando opções para proteger seus interesses legítimos.

Em comunicado na quinta-feira, Hopson ainda disse que todos os grandes bancos estavam otimistas em relação à compra, e um consultor financeiro terceirizado verificou que a empresa tinha os recursos financeiros necessários para adquirir a participação de 50,1% e para uma oferta geral.

O acordo é o segundo da Evergrande a entrar em colapso em meio à luta das últimas semanas para levantar dinheiro.

Duas fontes disseram à Reuters na semana passada que a venda de 1,7 bilhão de dólares de sua sede em Hong Kong fracassou em meio às preocupações dos compradores com a situação financeira da Evergrande.

O revés também ocorre um pouco antes do término do período de carência de 30 dias para que a Evergrande pague 83,5 milhões de dólares por um título offshore, momento em que, se não puder pagar, a incorporadora mais endividada da China será considerada inadimplente.

A Evergrande disse que os prazos de carência para o pagamento dos juros de seus títulos denominados em dólares que venciam em setembro e outubro não haviam expirado. A empresa acrescentou que continuará negociando a renovação ou prorrogação de seus empréstimos ou outros acordos alternativos com seus credores.

A Evergrande também disse que, exceto pela venda de uma participação no valor de 1,5 bilhão de dólares no credor chinês Shengjing Bank Co, não havia feito nenhum progresso material na venda de outros ativos que colocou no bloco.

A venda descartada da participação na unidade de serviços imobiliários de Evergrande "tornou ainda mais improvável que ela tire um coelho da cartola no último minuto", disse um advogado que representa alguns credores, pedindo anonimato, pois não estava autorizado a falar para a mídia.

"Dado o ponto em que as coisas estão com os pagamentos perdidos e o período de carência acabando em breve, as pessoas estão se preparando para uma inadimplência rígida. Veremos como a empresa abordará isso em suas negociações com os credores."

Caos imobiliário

As negociações das ações listadas em Hong Kong da China Evergrande, sua unidade de serviços imobiliários e da Hopson foram retomadas na quinta-feira, após uma suspensão de mais de duas semanas. A Evergrande fechou com queda de 12,5%, enquanto sua unidade de serviços imobiliários caiu 8% e seu braço de veículos elétricos, 2%. As ações da Hopson saltaram 7,6%.

A Evergrande já foi a incorporadora com maior número de vendas da China, mas agora está sofrendo com mais de 300 bilhões de dólares em dívidas. O passivo gigantesco levou funcionários do governo a se manifestarem nos últimos dias, dizendo que os problemas da empresa não desencadearão uma crise financeira mais ampla.

A agência de classificação Fitch afirmou que as tentativas da China de preservar controles de risco reforçados sobre o setor imobiliário sem aumentar a desaceleração do crescimento ilustram as difíceis compensações que seus formuladores de políticas estão enfrentando.

Se a flexibilização da política for muito cautelosa, o estresse pode se espalhar para outras partes da economia e do sistema financeiro, enquanto um afrouxamento substancial das condições de crédito pode aumentar a alavancagem do sistema e reduzir os esforços para controlar os riscos financeiros, pontuou.

Desde que o governo começou a reprimir a dívida corporativa em 2017, muitos incorporadores imobiliários recorreram a veículos fora do balanço para pedir dinheiro emprestado e evitar o escrutínio regulatório, disseram analistas e advogados.

As declarações de outras incorporadoras imobiliárias na quinta-feira exacerbaram as preocupações dos investidores quanto ao contágio.

A Chinese Estates Holdings Ltd disse que registraria um prejuízo de 29 milhões de dólares em seu atual ano fiscal com a venda de títulos emitidos pela incorporadora Kaisa Group Holdings Lt. Já a Modern Land Ltd disse que parou de buscar o consentimento dos investidores para estender a data de vencimento de um título em dólar com vencimento em 25 de outubro. Ela ainda declarou que planeja contratar um consultor financeiro para encontrar uma solução para seus problemas de liquidez.

As ações da empresa listadas em Hong Kong foram suspensas de negociação na quinta-feira, enquanto seus títulos despencavam. Seu título de 11,95% em março de 2024 caiu quase 20%, abaixo de 21 centavos, de acordo com o provedor de dados Duration Finance. A Kaisa viu seu título de 11,65% em junho de 2026 cair mais de 8,5%, para 28,8 centavos.

A decisão da Modern Land pesou no humor dos investidores, disse Clarence Tam, gestor de renda fixa da Avenue Asset Management, em Hong Kong.

"O mercado está preocupado que todas as empresas com um único B optem por não pagar", disse ele.

As preocupações dos investidores não se limitaram aos mercados offshore.

Um título de setembro de 2023 do desenvolvedor Aoyuan Group Co foi o maior perdedor do dia entre os títulos corporativos na Bolsa de Valores de Xangai, de acordo com dados da bolsa de valores, caindo 10%, para negociação a 88,65 yuans.

A Fitch rebaixou o Central China Real Estate para "B +" de "BB-" com uma perspectiva negativa na quinta-feira, seguido por uma ação semelhante da Moody's, refletindo o perfil de negócios enfraquecido do desenvolvedor e acesso limitado a financiamento.

Imagem da Editoria Exame Invest
Reuters


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame