MERCADOS

Fitch vê elementos que apoiam grau de investimento do Brasil

PUBLICADO EM: 10.9.15 | 18H32
A agência de classificação de riscos ainda vê elementos apoiando o grau de investimento do Brasil, segundo analista sênior
Entrada do prédio da Fitch Ratings, em Paris

Entrada do prédio da Fitch Ratings

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Nova York - A agência de classificação de riscos Fitch ainda vê elementos apoiando o grau de investimento do Brasil, disse a analista sênior Shelly Shetty, aliviando os receios do mercado de que a agência poderia seguir os passos da Standard & Poor's e colocar o Brasil em território especulativo.

Falando em uma conferência da Fitch em Nova York, Shelly disse, no entanto, que o rating do Brasil está se deteriorando e que há uma chance maior do que 50 por cento de que o país seja rebaixado.

No entanto, um corte em um degrau ainda manteria o Brasil com o selo de bom pagador, uma vez que a Fitch atualmente classifica o país como "BBB", ou dois degraus acima do território especulativo, com uma perspectiva negativa.

"Claramente há elementos que ainda apoiam as credenciais de grau de investimento", disse Shelly a investidores, citando a diversidade econômica do Brasil, níveis de renda per capta e a condição do governo de credor em dólares.

"Dito isso, claramente a direção (do rating) é negativa e isso está refletido em nossa perspectiva", afirmou.

A trajetória do rating do Brasil vai depender fortemente do consenso político sobre sólidas políticas fiscais e macroeconômicas, acrescentou Shelly.

S&P A agência de classificação de riscos Standard & Poor's, que cortou o rating do Brasil e tirou o selo de bom pagador na véspera, pode revisar a perspectiva do rating do Brasil para estável ante negativa se o país resolver as questões políticas que estão impedindo medidas de austeridade, disse a analista Lisa Schineller em uma teleconferência nesta quinta-feira.

Segundo a analista, o orçamento anunciado recentemente, que trouxe uma inédita projeção de déficit primário, foi peça chave na decisão de rebaixar o rating do país.

A S&P espera ações do governo brasileiro para melhorar a situação fiscal do país e vai monitorar as medidas de austeridade que serão propostas para avaliar o que é de longa duração e o que é temporário.

Texto atualizado às 18h32

Imagem da Editoria Exame Invest
Exame Solutions

Apresentado por


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame