GameStop dispara 50% no after-market após Robinhood liberar "compras limitadas" | Exame Invest
Exame Invest
MERCADOS

GameStop dispara 50% no after-market após Robinhood liberar "compras limitadas"

PUBLICADO EM: 28.1.21 | 20H29
ATUALIZAÇÃO: 28.1.21 | 21H23
No pregão regular, os papéis da companhia caíram 44% após corretoras americanas restringirem negociação com os ativos, o que atraiu onda de críticas de investidores
game-stop-lojas-eua-games

Foto de Paula Barra da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Paula Barra

Repórter de mercados da Exame. Formada em jornalismo pelo Mackenzie e pós-graduada em Produtos Financeiros e Gestão de Risco pela FIA. Especializada na cobertura do mercado financeiro, com passagens pelo InfoMoney, Empiricus e TradersClub | paula.barra@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 4MIN

As ações da GameStop sobem 50,04% no after-market da Bolsa de Nova York desta quinta-feira, 28, após a corretora Robinhood dizer que vai liberar "compras limitadas" das ações da companhia a partir de amanhã.

No horário regular de pregão, que vai até às 18h (horário de Brasília), os papéis da varejista de jogos de videogame americana fecharam em queda de 44%. O movimento ocorreu após corretoras nos Estados Unidos restringirem negociação com as ações da GameStop e outros papéis que têm apresentado desempenho volátil nas Bolsas americanas.

Conheça o maior banco de investimentos da América Latina e invista com os melhores assessores

Em seu blog, a Robinhood diz, em nota esta noite, que a decisão anterior de limitar a negociação com ações consideradas voláteis, entre elas as da GameStop, foi tomada por uma questão de gerenciamento de risco e não feita em direção a formadores de mercado. A corretora comentou ainda que continuará monitorando a situação e poderá fazer ajustes conforme necessário.

Mesmo com ordens limitadas, volume de negócios supera a média

Apesar do limite das negociações por algumas corretoras, mais de 54 milhões de ações da GameStop foram negociadas no pregão regular, contra um volume diário médio de 10,6 milhões de papéis nas últimas 52 semanas. A queda de hoje quebrou uma sequência de cinco altas das ações, quando subiram 788%. Mesmo considerando a desvalorização neste pregão, na semana, os papéis ainda acumulam valorização de 197%.

Em movimento similar, as ações da AMC Entertainment Holdings, que também tiveram suas negociações limitadas nesta sessão por algumas corretoras, sobem 39,05% no after-market. No pregão regular, esses papéis caíram 56,63%, para 8,63 dólares. Ainda assim, o volume negociado com as ações foi bem acima da média. Foram negociadas neste pregão mais de 313 milhões de ações da companhia, superior à média diária de 23,9 milhões de papéis das últimas 52 semanas.

Além da Robinhood, a Interactive Brokers Group disse nesta manhã que iria permitir aos investidores que somente se desfizessem de suas posições com essas ações consiradas voláteis, como a GameStop, mas que iria restringir a compra. A TD Ameritrade e Charles Schwab também limitaram as negociações com as ações da Game Stop e AMC na quarta-feira e, segundo o The Wall Street Journal, o Citigroup e Wells Fargo comunicaram a seus assessores que não sugerissem as ações da GameStop a seus clientes.


Recomendado para você

Decisão gera críticas nas redes sociais

A decisão das corretoras em restringir as negociações com os papéis gerou diversas críticas de usuários dessas plataformas e outras camadas da sociedade americana. A deputada democrata Alexandria Ocasio-Cortez, da ala progressista, e Donald Trump Junior, conservador e filho do ex-presidente dos Estados Unidos, foram alguns que criticaram a decisão.

A deputada disse, em seu perfil no Twitter, que é "inaceitável" a decisão da Robinhood de impedir que "investidores de varejo comprem ações enquanto fundos de hedge podem negociar livremente seus papéis como acharem adequado". Em resposta ao seu tweet, Elon Musk, fundador e CEO da Tesla, que já havia esboçado simpátia à ação dos pequenos investidores, deu mais coro à discussão, demonstrando que concordava com os argumentos da deputada.

Também em sua conta do Twitter, Donald Trump Junior comentou que gostaria que a SEC, a comissão de valores mobiliários dos EUA, tivessem tantos problemas com insider trading quanto parece ter com "outsider trading", usando as hashtags Robinhood, GameStop e WallStreetBets, o fórum criado por pequenos investidores na rede social Reddit, que começou o movimento em torno das ações da varejista de jogos americana.

O que está por trás da alta das ações nos últimos meses?

Reunidos em um fórum no Reddit, chamada WallStreetBets, com 2,8 milhões de integrantes, investidores individuais estimularam um movimento de compras em massa das ações da empresa, uma varejista tradicional, com negócios ancorados em lojas físicas e que tinha previsão de fechar mil lojas no ano fiscal que termina no fim deste mês.

A escalada das ações resultou em perdas bilionárias para fundos de investimento que fizeram operações especulativas apostando que as ações da varejista iam cair.

Como a GameStop tem diversas lojas físicas, foi bastante afetada pela pandemia. Os investidores veteranos de Wall Street avaliavam que a tendência para o papel era de queda. Muitos fizeram então a chamada “venda a descoberto”.

Trata-se de uma estratégia adotada quando se avalia que o preço de uma ação vai cair no futuro. O investidor não tem o papel em carteira, mas se compromete a comprá-lo adiante, com a expectativa de fazer isso a um valor mais baixo do que o da cotação atual e ganhar com a diferença de preços.

A compra em massa dos papéis da GameStop fez, no entanto, que os papéis disparassem. Estes investidores tiveram então de comprar as ações a um valor muito mais alto, levando-os a perda bilionária em um único pregão.


Leia também

Foto de Paula Barra da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Paula Barra

Repórter de mercados da Exame. Formada em jornalismo pelo Mackenzie e pós-graduada em Produtos Financeiros e Gestão de Risco pela FIA. Especializada na cobertura do mercado financeiro, com passagens pelo InfoMoney, Empiricus e TradersClub | paula.barra@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame