MERCADOS

Gestora vê potencial de alta de 100% em ação anti-hacker

PUBLICADO EM: 26.5.21 | 6H50
ATUALIZAÇÃO: 26.5.21 | 1H18
Desde ataque a um dos principais oleodutos nos Estados Unidos, no início do mês, papéis da Palo Alto, de segurança cibernética, subiram 7%

Resumo do investidor

1. Com retomada do crescimento e risco de aperto monetário nos EUA, ações de tecnologia caíram 2. Ações da Palo Alto subiram 52% em 2020, mas chegaram a acumular 10% de queda neste ano 3. Alguns investidores avaliam que a queda das ações de tecnologia é oportunidade de compra

Cresce o risco de ataques cibernéticos contra empresas, segundo especialistas | Foto: Witthaya Prasongsin/Getty Images (Getty Images)

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Enquanto os temores de inflação americana têm provocado quedas generalizadas em ações de tecnologia, parte dos gestores tem visto o momento como oportunidade. A GeoCapital, focada no mercado acionário americano, aproveitou para adicionar mais uma empresa do setor em seu portfólio: a Palo Alto.

Focada em segurança cibernética, neste ano a Palo Alto chegou a acumular queda de 10% na Bolsa de Nova York. Nas últimas semanas, suas ações apresentaram alguma recuperação, mas o cenário é bem diferente do de 2020, quando saltaram 52%, com a expansão do home office e o aumento da demanda pelos serviços da empresa. 

“Vimos uma ótima oportunidade de compra e montamos a posição [em ações da empresa] neste ano”, diz Marcelo Carramaschi, sócio e analista da GeoCapital. Com o intuito de manter os papéis da Palo Alto por cinco anos na carteira, a gestora espera lucrar cerca de 100% com o investimento, considerando a expectativa de rentabilidade de 15% ao ano. 

A maior visibilidade de ataques hackers, como o ocorrido no início do mês com a empresa americana de oleoduto Colonial Pipeline, segundo Carramaschi, deve aumentar não só a demanda pelos serviços mas também pelas ações da Palo Alto. Desde o ataque no dia 7 de maio, os papéis subiram cerca de 7%, enquanto o índice Nasdaq, que concentra empresas de tecnologia, ficou praticamente estável. 

Por outro lado, a Colonial Pipeline teve que pagar 4,4 milhões de dólares para que os hackers liberassem seu sistema. 

"No geral, as empresas subestimam o prejuízo causado por ataques hackers. Com a Colonial Pipeline não foi só a rede que foi tomada mas o controle de toda operação. Os hackers estão ficando cada vez mais sofisticados e a demanda para se defender será muito grande”, afirma Carramaschi.

A expectativa de crescimento foi o principal motivo que levou a gestora a adquirir os papéis da Palo Alto. Em 2020, o lucro da companhia aumentou 226%, de acordo com a plataforma Macrotrends. No trimestre encerrado em 31 de janeiro, o lucro líquido cresceu 93% na comparação anual, enquanto a receita avançou 24,5%.

Atualmente, as ações da Palo Alto representam cerca de 2% da carteira de cerca de 40 empresas da GeoCapital. Ainda que não esteja entre as principais posições do fundo, a gestora avalia aumentar o tamanho da posição, dependendo da melhora do cenário.

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame