Exame Invest
Mercados

Grupo imobiliário chinês Fantasia não cumpre o pagamento de dívida

PUBLICADO EM: 5.10.21 | 7H32
A situação do grupo Fantasia Holdings aumentou a preocupação com o setor imobiliário da China, em um momento de tensão com a crise na empresa Evergrande

A empresa Fantasia Holdings não cumpriu o reembolso de 205,7 milhões de dólares (REUTERS)

Imagem da Editoria Exame Invest
AFP



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

Em um momento de grande preocupação com uma possível falência da gigante imobiliária chinesa Evergrande, outra incorporadora com problemas financeiros admitiu nesta terça-feira (5) que não conseguiu cumprir o pagamento de uma obrigação de dívida.

A empresa Fantasia Holdings não cumpriu o reembolso de 205,7 milhões de dólares previsto para segunda-feira, informa um comunicado desta empresa com sede em Shenzhen (sudeste da China).

Além disso, a empresa de gestão imobiliária Country Garden Services Holdings indicou que uma subsidiária da Fantasia não pagou um crédito de 700 milhões de yuans (108 milhões de dólares) e apontou para uma possível falência da incorporadora.

Tudo isso acontece enquanto o mercado aguarda notícias da gigante Evergrande, que na segunda-feira suspendeu a cotação na Bolsa de Hong Kong e prometeu o anúncio de uma "grande transação".

Algumas informações destacam que a empresa imobiliária Hopson Development Holdings planeja adquirir 51% da filial de gestão de propriedades da Evergrande.

Com mais de 300 bilhões de dólares de dívida, a Evergrande está há várias semanas à beira do colapso, o que poderia ter consequências para o conjunto da segunda maior economia mundial.

Fantasia é uma empresa de menos peso que a Evergrand, mas seus problemas confirmam as preocupações sobre a saúde financeira do setor imobiliário na China.

A agência de classificação Fitch rebaixou na segunda-feira a nota da dívida da Fantasia para "CCC-", uma avaliação que estabelece a falência como uma possibilidade.

A Fitch indica que a "situação de liquidez da empresa pode ser mais difícil do que o esperado anteriormente" e coloca em dúvida a transparência do grupo.

Tanto Fitch como S&P rebaixaram a nota de outra empresa imobiliária chinesa, a Sinic Holdings.

O setor imobiliário chinês passou nos últimos meses a um controle maior das autoridades, que adotaram novas regras para evitar a especulação e o endividamento excessivo das empresas.

Imagem da Editoria Exame Invest
AFP


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame