Exame Invest
Mercados

Ibovespa cai mais de 2% com alta da inflação nos EUA; dólar sobe a R$ 5,28

PUBLICADO EM: 12.5.21 | 12H10
ATUALIZAÇÃO: 12.5.21 | 17H40
Mercado teme que alta de preços leve Federal Reserve a rever políticas de juros baixos

Resumo do investidor

Às 16h: - Ibovespa cai 2,33%, aos 120.077 pontos - Dólar comercial avança 1,25% e é negociado a 5,288 reais - EUA: Dow Jones recua 1,41%, S&P 500 tem queda de 1,75% e Nasdaq cai 2,39%

bolsa-trader-b3-acoes-ibovespa

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme | Beatriz Quesada

Repórteres da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

O Ibovespa recua nesta quarta-feira, 12, após os dados do índice de preço ao consumidor americano (CPI, na sigla em inglês) aumentarem as preocupações sobre a alta da inflação nos Estados Unidos. Às 16h, o principal índice da B3 caía 2,33%, aos 120.077 pontos.

Divulgado nesta manhã, o CPI de abril subiu 0,8% na comparação mensal, enquanto o CPI anual passou de 2,6% para 4,2%. Os números ficaram muito acima das expectativas de alta mensal de 0,2% e de 3,6% na comparação com o mesmo período do ano passado.

Com a inflação subindo nos Estados Unidos, o mercado teme que o Federal Reserve (Fed, banco central americano) tenha que subir os juros antes do esperado para controlar a alta de preços.

"Estamos em uma fase em que o bom é ruim. Em teoria, a inflação é devido ao crescimento. Mas dados de inflação mais fortes vão fazer com que o Fed inicie sua política de cortes de estímulos e também repense sua paciência [sobre a inflação]", diz Jefferson Laatus, estrategista-chefe e sócio-proprietário do Grupo Laatus.

A autoridade monetária tem garantido que as taxas de juros devem se manter baixas até que os EUA alcancem o pleno emprego e que a inflação ultrapasse a meta de 2% por algum tempo. Os novos dados do CPI, no entanto, aumentam as pressões para a elevação de juros. Logo após a divulgação do CPI, o rendimento dos títulos públicos americanos de 10 anos, que ajuda a mensurar a expectativa de inflação no país, subiu quase 3%. Em entrevista recente à Bloomberg, o ex-presidente do Fed de Nova York William Dudley chegou a afirmar que já poderá ser tarde quando o Fed começar a subir juros.

Com o aumento das preocupações sobre o nível da inflação americana e a possibilidade de os Estados Unidos subirem a taxa de juros, investidores do mundo inteiro aumentaram posições em dólar, com o índice Dxy (que mede a variação da moeda americana frente a seus pares) subindo para a máxima do dia. No Brasil, a moeda americana chegou a quase 0,8% de alta, antes de resfriar a valorização.

Na bolsa, ações com múltiplos elevados são as que mais sofrem neste pregão. Isso porque se espera que, com o financiamento mais caro, essas empresas demorem mais para entregar o crescimento esperado. Esse é o caso, principalmente, das companhias com grandes investimentos em tecnologia.

Com participação majoritária de ações do setor, o índice Nasdaq volta a registrar o pior desempenho do mercado americano, operando em queda de mais de 2%, enquanto o Dow Jones, com menor presença de empresas de tecnologia, cai pouco menos de 1,5%.

Destaques

Além do viés negativo vindo do exterior, a movimentação do Ibovespa repercute a divulgação de resultados corporativos do primeiro trimestre de 2021. Liderando as perdas do índice estão as unitis do Banco Inter (BIDI11), que recuam 8,16% mesmo após o banco ter  informado lucro de 20,8 milhões de reais nos primeiros três meses do ano -- alta de 95% da receita total. 

“Apesar do resultado em linha com as expectativas do mercado, as units do Banco Inter vão caindo, com investidores embolsando os ganhos acima de 20% apresentados no último mês”, destacam, em nota, analistas da Ativa Investimentos.

Na ponta positiva, as ações da BR Distribuidora (BRDT3), que chegaram a disparar quase 9% pela manhã, sobem 5,31%. Como pano de fundo está o resultado do primeiro trimestre, em que a companhia conseguiu dobrar seu lucro líquido na comparação anual de 234 milhões de reais 492 milhões de reais. Um dos pontos de destaque do balanço foi o aumento de margem com ganhos de estoque.

"As margens sozinhas seriam apenas metade da história se fossem acompanhadas por uma perda de participação de mercado. No entanto, a empresa ganhou 0,5 p.p. de quota de mercado no trimestre. Sua proposta de valor também parece sólida, com 36 adições líquidas de postos de serviço no trimestre e 240 nos últimos doze meses", avaliam em relatório analistas do Credit Suisse.

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme | Beatriz Quesada

Repórteres da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame