Ibovespa cai e dólar dispara 8% no 1º tri | Exame Invest
Exame Invest
MERCADOS

Ibovespa cai e dólar dispara 8% no 1º tri

PUBLICADO EM: 31.3.21 | 9H12
ATUALIZAÇÃO: 31.3.21 | 17H55
Em março, índice encerra com ganhos de 6% após dois meses no negativo; nos EUA, Dow Jones e S&P 500 têm melhor mês desde novembro
Estrangeiro põe dinheiro e pessoa física tira da bolsa

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Foto de Paula Barra da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada | Paula Barra

Repórteres da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 4MIN

Quadro geral do dia:

  • Ibovespa cai 0,18%, em 116.633 pontos
  • Dólar comercial recua 2,31%, em 5,62 reais
  • EUA: Dow Jones recua 0,26%, S&P 500 tem alta de 0,36% e Nasdaq avança 1,54%

Em dia de realização, o Ibovespa caiu nesta quarta-feira, 31, depois de subir por quatro pregões seguidos. Em março, contudo, o índice fechou com ganhos de 6% após dois meses no negativo. No trimestre, acumulou queda de 2,0%. 

"O mercado local ainda segue com poucos vetores. Ainda que estejamos nos beneficiando da alta das commodities lá fora, por conta do pacote de estímulos dos EUA, o que acaba favorecendo as ações como Vale, Gerdau, Petrobras, Usiminas, em contrapartida, a pandemia ainda impacta forte no curto prazo", disse Jerson Zanlorenzi, responsável pela mesa de ações e derivativos do BTG Pactual digital.

“Isso tem impedido o índice de avançar. Apesar da semana ainda estar no positivo, a Bolsa encontra dificuldade em romper os 117 mil pontos, enquanto os números da covid no país ainda estão altos”, complementou.

A proximidade do feriado na sexta-feira também contribuiu para elevar o tom de cautela. "Ontem, o Brasil bateu recorde de mortes por covid e hoje descobriram uma nova variante do coronavírus no estado de São Paulo. O mercado olha para essas informações com apreensão, enquanto o plano de vacinação do país ainda segue muito atrasado", apontou Gustavo Bertotti, economista-chefe da Messem Investimentos.

Na terça-feira, 30, o Brasil voltou a registrar a pior marca da crise com 3.780 mortes em um único dia. É o segundo recorde em menos de uma semana. De acordo com o Ministério da Saúde, o país tem 317.646 óbitos e 12.658.109 casos confirmados da doença.

Além disso, os investidores ficaram atentos à notícia de que o relator do Orçamento de 2021, o senador Márcio Bittar (MDB-AC), pediu o cancelamento de 10 bilhões de reais em emendas. No Twitter, no entanto, o ex-presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse que ainda faltam 25 bilhões de reais para cumprir o teto de gastos. 

No mercado de câmbio, o dólar ampliou ainda mais a baixa ante real à tarde, depois do fechamento da Ptax, taxa de câmbio calculada pelo Banco Central e usada como referência para contratos envolvendo negócios em dólar. A Ptax é calculada diariamente, mas os investidores ficam muito atentos à Ptax do último pregão do mês porque ela será utilizada para contratos cambiais do mês seguinte.

No mês, a moeda encerrou com leve alta de 0,4%, enquanto, no trimestre, acumulou ganhos de 8,5%.

Destaques de ações

No Ibovespa, as ações da Equatorial (EQTL3) lideraram os ganhos do dia, com valorização de 8,39%, após vencer o leilão de privatização da distribuidora de energia gaúcha CEEE-D, com proposta de 100 mil reais. Na sequência, aparecem os papéis da CCR (CCRO3), que subiram 6,34%, e Cielo (CIEL3), que avançou 3,91%, após o Banco Central autorizar o funcionamento do sistema de pagamentos do Whatsapp entre usuários.

Do lado oposto, as maiores quedas ficam por conta de Yduqs (YDUQ3), Gol (GOLL4) e Lojas Renner (LREN3), que recuaram entre 3% e 4%. Entre as aéreas, a Azul (AZUL4), que fechou como a quarta maior queda do índice, também caiu cerca de 3%, em dia de realização de lucros no setor após fortes ganhos na véspera.

De olho nos EUA

Nos Estados Unidos, o S&P 500 atingiu nova máxima no intraday, ao tocar os 3.994 pontos, antes do anúncio do pacote para infraestrutura de mais de 2 trilhões de dólares, que o presidente Joe Biden apresentou no final da tarde.

Em março, o S&P 500 e Dow Jones fecharam com ganhos de 4,3% e 6,6%, respectivamente, no melhor mês desde novembro.

Mais cedo nesta sessão, os investidores digeriram os dados de empregos no setor privado dos Estados Unidos mensurados pelo indicador ADP do mês de março. Foram abertas 517 mil vagas, pouco abaixo das 550 mil esperadas pelo consenso de mercado, mas ainda acima do mês anterior (revisado de 117 mil para 176 mil). 

“A revisão positiva do resultado anterior mais do que compensa a frustração da leitura atual”, avaliaram, em nota, analistas da Exame Invest Pro.

Vale lembrar que esse resultado é utilizado como insumo para payroll, a principal divulgação de mercado de trabalho nos EUA. O indicador, que tem grande peso no mercado de juro americano, será divulgado na sexta-feira, 2. 

A expectativa atual é de criação de 650 mil vagas contra 379 mil em fevereiro, mas algumas casas de análise chegam a projetar criação acima de 1 milhão. O resultado será importante para a dinâmica do rendimento dos juros do tesouro de 10 anos, que tem afetado os ativos globais nas últimas semanas.


Leia também

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Foto de Paula Barra da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada | Paula Barra

Repórteres da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame