MERCADOS

Ibovespa fecha em leve alta após Copom; Ambev dispara mais de 8%

PUBLICADO EM: 6.5.21 | 9H16
ATUALIZAÇÃO: 6.5.21 | 17H29
Alta do minério de ferro impulsiona Vale e barra queda do índice; dólar volta aos R$5,20

Resumo do investidor

- Ibovespa teve alta 0,30% e fechou o pregão aos 119.920 pontos - Dólar comercial recuou 1,62% e encerrou o dia negociado a 5,27 reais - EUA: Dow Jones subiu 0,93%, S&P 500 avançou 0,82% e Nasdaq registrou ganhos de 0,37%

Bolsa: Ibovespa avança e caminha para oitava alta em nove pregões

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme | Beatriz Quesada

Repórteres da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 4MIN

Após passar o dia entre perdas e ganhos, o Ibovespa encerrou a quinta-feira, 6, em leve alta de 0,30%, aos 119.920 pontos. O principal índice da B3 perdeu força em um dia em que investidores repercutiram uma elevação já esperada na taxa Selic e também estiveram atentos à temporada de balanços do primeiro trimestre de 2021. 

Sabia o que esperar da temporada de balanços do 1º tri  com a EXAME Invest Pro

O pregão morno foi marcado pelas altas das ações Vale (VALE3) e da Ambev (ABEV3) que possuem participação relevante no índice e registraram fortes ganhos nesta quinta-feira.

Representando 12,56% da carteira teórica do índice, as ações da Vale subiram 3,92%. Os papéis acompanham a disparada de 7% do minério de ferro, após o governo chinês reacender a tensão comercial com a Austrália, atualmente a maior produtora de minério de ferro do mundo. As ações da Gerdau (GOAU4; GGBR3) avançaram 5,18% e 4,56%, respectivamente, também na esteira da alta da commodity.

O destaque do dia, no entanto, foram as ações da Ambev, que lideraram as altas do Ibovespa, subindo 8,88%. A disparada nos papéis acompanha o resultado surpreendente da companhia, que viu seu lucro dobrar no primeiro trimestre de 2021

No período, a empresa registrou lucro líquido de 2,73 bilhões de reais, superando as expectativas do mercado que apontavam ganhos de 2,3 bilhões de reais. O número mostra um crescimento de 125,6% em relação ao mesmo período do ano anterior. Já as vendas da empresa aumentaram 32%, para 16,6 bilhões de reais. 

Analistas do BTG Pactual (do mesmo grupo controlador da EXAME) classificaram o resultado como de "alta qualidade" e também destacaram o crescimento "impressionante" de 24% do Ebitda na comparação ano contra ano.

Nesta quinta, a controladora da Ambev, AB InBev, também anunciou a troca de comando na empresa, que será assumida pelo chefe do grupo na América do Norte Michel Doukeris. O atual presidente, Carlos Brito, ficará no cargo até o fim de junho.

Na ponta negativa do Ibovespa, os holofotes ficaram com os papéis da Ultrapar (UGPA3), que recuaram 6,84% no pregão. O grupo reportou queda de 18% no lucro nos três primeiros meses do ano, para 137,4 milhões de reais, com perdas financeiras com hedge cambial ofuscando a melhora operacional de suas empresas, que incluem a rede de postos Ipiranga e a distribuidora de gás Ultragaz.

Maiores altas do Ibovespa

AmbevABEV3

8,88%

GerdauGOAU4

5,18%

SabespSBSP3

4,92%

Maiores quedas do Ibovespa

UltraparUGPA3

-6,84%

LocawebLWSA3

-5,56%

Pão de AçúcarPCAR3

-4,69%

Copom

Investidores locais também estiveram atentos ao comunicado da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), após a já esperada decisão de elevar a taxa Selic em 0,75 ponto percentual para 3,5% ao ano. Segundo o comunicado, para a decisão de junho, "o Comitê antevê a continuação do processo de normalização parcial do estímulo monetário com outro ajuste da mesma magnitude” -- ou seja, de mais 0,75 ponto percentual.

“O Copom reforça a visão que já tínhamos, de uma alta para 4,25% em junho. A sinalização vai na linha de tentar reproduzir um ajuste rápido e intenso, na busca de recomposição da credibilidade e ancoragem das expectativas'', comenta Arthur Mota, economista da Exame Invest Pro.

Dólar

Com a sinalização de uma nova alta de juros, o dólar caiu 1,62% frente ao real, que voltou a se destacar entre as moedas emergentes. Isso porque a maior rentabilidade da renda fixa tende a atrair investidores estrangeiros, aumentando a oferta de dólares no mercado local. 

Na semana, a divisa americana acumula perdas de 2,9%. O dólar não era negociado na casa dos 5,20 reais desde o final de janeiro.

EUA em alta 

Nos Estados Unidos, os índices Dow Jones e S&P 500 encerraram o dia em alta de 0,93% e 0,82%, respectivamente, após os Estados Unidos registrarem uma queda no número de pedidos de seguro desemprego.

Divulgado nesta manhã, os pedidos semanais de seguro desemprego ficaram em 498.000, abaixo das expectativas de 540.000 pedidos. O número foi o menor desde o início dos impactos da pandemia no mercado de trabalho americano, em março de 2020.

“O resultado continua sugerindo fortalecimento do mercado de trabalho americano no mês de abril, lembrando que amanhã teremos payroll [principal indicador de empregos dos EUA], podendo trazer surpresas positivas”, destacaram, em nota, analistas da EXAME Invest Pro.

O índice de tecnologia Nasdaq caiu após a divulgação dos dados e passou boa parte do dia no negativo antes de apagar as perdas e avançar 0,37%. Isso porque, com a maior economia do mundo dando sinais sólidos de recuperação, investidores veem a possibilidade do Federal Reserve (Fed, banco central americano) frear os programas de estímulos para conter a inflação, que vem subindo no país.

Uma elevação de juros antes do planejado atingiria em cheio o caixa das empresas de tecnologia, que precisam de constantes financiamentos para sustentar seu crescimento acelerado.

Esteja sempre informado sobre as notícias que movem o mercado. Assine a EXAME

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme | Beatriz Quesada

Repórteres da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame