Exame Invest
Mercados

Ibovespa reduz perdas com possível extensão de teto da dívida dos EUA

PUBLICADO EM: 6.10.21 | 9H05
ATUALIZAÇÃO: 6.10.21 | 16H56
Se a questão do teto não for endereçada em duas semanas, Estados Unidos entrará em recessão, segundo secretária do Tesouro americano
Bolsa de Valores

(REUTERS)

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada | Guilherme Guilherme

Repórteres da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

O Ibovespa reduziu as perdas do início do pregão desta quarta-feira, 6, após sinalizações de que o Congresso americano poderá encaminhar a extensão do teto da dívida americana. Às 16h10, o principal índice da B3 caía 0,14%, a 110.300 pontos, acompanhando a recuperação das bolsas americanas, que já operam em terreno positivo.

O cenário mudou depois que o líder da minoria republicana do Senado, Mitch McConnell disse que apoiará a extensão do teto da dívida até dezembro. Na véspera, a secretária do Tesouro americano, Janet Yellen chegou a dizer que os Estados Unidos enfrentaria uma recessão, caso o teto da dívida não for endereçado em duas semanas. Em Wall Street, o Dow Jones cai 0,02%, enquanto o S&P 500 e o Nasdaq tem respectivas altas de 0,06% e 0,25%.

O alívio global também teve impactos sobre o câmbio, com o dólar perdendo força no mundo inteiro. No Brasil, a moeda americana saiu de quase 5,54 reais para 5,48 reais.

Ainda assim, o mercado segue atento aos sinais de estagflação. Na Zona do Euro, o Stoxx 600 caiu 1,05%, após números de vendas do varejo, divulgados nesta manhã, terem saído abaixo das expectativas na Zona do Euro. Investidores temem que a região esteja enfrentando um estágio de estagflação, que mistura a alta generalizada dos preços com um arrefecimento da retomada econômica.

No mercado internacional, investidores devem ficar cautelosos até a divulgação do payroll na sexta-feira, 8. O relatório oficial de empregos não-agrícolas é o principal termômetro da recuperação econômica nos EUA, e pode dar maiores pistas sobre a possível retirada de estímulos por parte do Fed, que deve ocorrer já em novembro.

Enquanto o payroll não sai, investidores repercutem a variação de empregos privados nos EUA, divulgados pelo Instituto ADP. Considerados uma “prévia do payroll”, os dados mostraram uma criação de 568 mil empregos, número acima do consenso que esperava a criação de 428.000 postos de trabalho. O resultado acima do esperado pode levar o mercado a precificar um aperto monetário mais duro.

No Brasil, as atenções se voltam para o indicador de vendas do varejo referente ao mês de agosto, que saiu muito abaixo do esperado. As vendas no varejo brasileiro tiveram queda de 3,1% em agosto na comparação com julho e recuaram 4,1% sobre um ano antes, segundo informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira.

As estimativas apontavam altas de 0,7% na comparação mensal e de 2,0% sobre um ano antes. “A leitura preliminar dos dados é muito ruim e devemos rever o PIB de 2021 e 2022 para baixo”, afirma, em nota, André Perfeito, economista da Necton Investimentos.

Destaques da bolsa

As ações da Petrobras (PETR3/PETR4) são a principal força negativa para o Ibovespa. Após altas de 2% no pregão da véspera, os papéis caem cerca de 2%  nesta quarta-feira. O movimento acompanha a correção de 1,4% do petróleo após os preços dispararem ontem.

Já a o setor de tecnologia volta a figurar entre as maiores variações do Ibovespa. Na ponta negativa, estão Locaweb (LWSA3) e Méliuz (CASH3) com respectivas quedas de 4,29% e 3%. Na positiva, as empresas de e-commerce sobem em bloco, com Americanas (AMER3) disparando 7,35%, Magazine Luiza (MGLU3), 5,63% e Via (VIIA3), 2,93%. 

A maior alta do Ibovespa, contudo, é liderada pela Rumo (RAIL3), que sobe quase 8%, após anunciar a expansão de suas operações para o Mato Grosso até 2030. 

Em relatório, o Credit Suisse afirmou que o projeto é transformador para a empresa, e recomendou compra da ação com preço-alvo de 26 reais. O valor representa um potencial de valorização (upside) de 52% em relação ao preço de fechamento do pregão anterior.

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada | Guilherme Guilherme

Repórteres da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame