MERCADOS

Ibovespa sobe 2,6% após 6 pregões de queda; IRB dispara 18% com short squeeze

PUBLICADO EM: 28.1.21 | 9H31
ATUALIZAÇÃO: 28.1.21 | 18H26
Bolsa brasileira segue movimento positivo no exterior à espera de estímulos nos EUA; dólar sube 0,5%
Pessoa física tem R$ 386 bi em ações na B3

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme | Beatriz Quesada

Repórteres da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 4MIN

O Ibovespa teve firme alta nesta quinta-feira, 28, e recuperou a marca dos 118 mil pontos com o mercado brasileiro seguindo o otimismo nas bolsas americanas. Os investidores também estiveram em busca de barganhas, após a bolsa brasileira cair por seis pregões consecutivos – a maior sequência negativa em 12 meses. O principal índice da bolsa brasileira avançou 2,59%, para 118.883 pontos.

Conheça o maior banco de investimentos da América Latina e invista com os melhores assessores

“O Brasil passou os últimos dias descolado dos movimentos no exterior, mas hoje tivemos maior aderência ao otimismo no exterior com os bons resultados da economia americana”, afirma Simone Pasianotto, economista-chefe da Reag Investimentos.

Não houve surpresa na revelação do PIB americano para o quarto trimestre, que teve alta de 4%. Já o número de pedidos de seguro desemprego continua alto, mas mostrou resultado melhor que a expectativa.  Na semana, foram 847.000 pedidos ante 875.000 esperados. 

Com os resultados, as principais bolsas de valores dos EUA registram alta, após uma sessão de forte realização de lucros na véspera. O Dow Jones avançou 0,99% e o S&P500 subiu 0,98%. Já o índice de tecnologia Nasdaq teve ganhos de 0,5%. Os setores financeiro e de materiais -- mais sensíveis a uma recuperação econômica -- foram protagonistas do movimento, junto às áreas de tecnologia e comunicação, que repercutiram bons resultados trimestrais divulgados nesta semana.  

“Os mercados renovaram a esperança de que o novo pacote fiscal de 1,9 trilhão de dólares proposto pelo governo Biden beneficie a economia global. Ásia e Europa já vinham embaladas por esse otimismo, e hoje o Ibovespa se alinhou ao movimento global do qual ficou afastado por conta de questões domésticas”, avalia Pasianotto.

Na bolsa, as ações do IRB Brasil (IRBR3) disparam 17,82%, após pequenos investidores se organizarem para fazer dela a “GameStop brasileira” através de uma operação de short squeeze.  A prática tem como objetivo elevar o preço das ações para levar investidores com posições vendidas a terem que comprar os papéis da companhia, o que acaba aumentando ainda mais o preço do ativo. 

Também se destacam entre as maiores altas papéis que vinham apresentando fortes quedas nos últimos pregões com temores sobre a distribuição da vacina no Brasil, como os do setor bancário e de commodities. 

Entre as maiores altas em pontos estão as ações dos grandes bancos: Itaú (ITUB4), Bradesco (BBDC4), Banco do Brasil (BBAS3) e Santander (SANB11) registraram altas entre 2% e 4%. Vale (VALE3) subiu 2,13% e Petrobras (PETR3; PETR4) registrou ganhos de 2,22% e 1,39%.

Papéis das companhias aéreas GOL (GOLL4) e Azul (AZUL4) e a agência de turismo CVC (CVCB3) também tiveram forte alta e subiram, respectivamente, 6,81%, 3,73% e 6,77%. Confira os principais destaques de ações aqui.

Investidores também repercutem a taxa de desemprego referente ao mês de novembro, que caiu de 14,3% para 14,1%, confirmando as expectativas do mercado. Este foi o terceiro mês consecutivo de recuperação. Por outro lado, o IGP-M voltou a superar as estimativas de economistas, ficando em 2,58% em janeiro. Na primeira prévia do mês, o indicador de inflação medido pela FGV havia ficado em 2,37%.

Dólar sobe mesmo com alta da bolsa

O dólar teve uma quinta-feira de volatilidade e fechou a sessão em alta de 0,52%, sendo negociado a 5,43 reais. O real descolou de seus pares emergentes na sessão em meio a compras defensivas da moeda norte-americana. 

Alguns profissionais ouvidos pela Reuters lembraram ainda que o Banco Central vendeu apenas metade dos 16 mil contratos de swap cambial tradicional em leilão de rolagem nesta quinta-feira, o que foi lido por alguns como uma "briga" de preço, elevando a instabilidade no mercado.

O trade "compra de dólar/compra de bolsa" foi bastante comum nos últimos tempos, mas sofreu um revés conforme o Banco Central sinalizou aumento dos juros. Com a Selic mais alta, a estratégia fica mais cara, já que juros maiores elevam o custo de carregamento de posições vendidas em real.

Enquanto isso, a volatilidade cambial seguiu em alta e bateu 19,8% nesta quinta -- máxima desde o começo de outubro. A instabilidade do real fez o Goldman Sachs incluir a moeda brasileira no grupo das moedas emergentes "arriscadas", do qual também fazem parte rand sul-africano e lira turca --que nesta quinta se valorizavam ante o dólar.

Reforçando o caráter idiossincrático da performance aquém do real, o Goldman Sachs avaliou que a "falta de desempenho superior" deste grupo de moedas emergentes arriscadas tem sido uma constante nos últimos 12 meses e não parece, por ora, uma preocupação particular para um rali amplo nos mercados de risco.

Com Reuters

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme | Beatriz Quesada

Repórteres da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame