Exame Invest
Mercados

Ibovespa encosta nos 127 mil pontos após divulgação de ata do Fed

PUBLICADO EM: 7.7.21 | 10H32
ATUALIZAÇÃO: 7.7.21 | 15H50
Índice segue otimismo das bolsas internacionais e se recupera das quedas do início da semana

Resumo do investidor

Às 15h45: - Ibovespa sobe 1,45%, aos 126.906 pontos - Dólar comercial avança 0,17% e é negociado a 5,218 reais - EUA: Dow Jones tem alta de 0,14%, S&P 500 sobe 0,26% e Nasdaq tem queda de 0,08%

B3; Bolsa; Bovespa; Painel; Investimento; Ações

Painel de cotações da B3 | Foto: Germano Lüders/Exame

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme | Beatriz Quesada

Repórteres da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

O Ibovespa sobe nesta quarta-feira, 7, se recuperando do tombo de 2% nos primeiros pregões da semana com impulso do exterior. Às 15h45, o principal índice da B3 avançava 1,45%, aos 126.906 pontos, acelerando os ganhos após a divulgação da ata da última reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, banco central americano). 

De acordo com o documento, autoridades do Fed avaliaram no mês passado que a recuperação dos EUA ainda não foi atingida completamente. Ainda assim, vários participantes da sessão sentiram que as condições para alterar a política monetária serão "atingidas mais cedo do que eles esperavam", enquanto outros viram um sinal menos claro de exigência de mudanças.

A autoridade monetária tem mantido as taxas de juros da economia próximas a zero desde o início da pandemia, o que favorece opções mais arriscadas de investimento, como a renda variável. Com a divulgação da ata, o entendimento do mercado foi de que os estímulos ainda devem ser mantidos por algum tempo.

Com a notícia, o índice S&P 500 atingiu uma nova máxima intradiária, o Ibovespa chegou aos 127.000 pontos e o dólar perdeu força no mundo. No Brasil, a moeda americana também perdeu força, mas o câmbio continua a sinalizar preocupações internas, com o real performando pior que outras moedas emergentes.

Investidores também seguem atentos aos desdobramentos da reforma tributária e as turbulências políticas de Brasília, envolvendo suspeitas de corrupção relacionadas ao governo federal. 

Às 15h45, o dólar comercial sobe 0,32% e é negociado a 5,226 reais. Na máxima, a moeda americana chegou aos 5,281 reais, em alta superior a 1%.

Destaques da bolsa

As blue chips, principais ações da bolsa, passam por um pregão de recuperação nesta quarta-feira. Os papéis Vale (VALE3), que possuem a maior participação no índice, avançam 0,29%. Já as ações da Petrobras (PETR3/PETR4), que estiveram entre as maiores quedas da véspera, sobem em torno de 1%, na contramão da queda do preço do petróleo.

Os grandes bancos também reforçam o movimento de alta, com Itaú (ITUB4) lideram os ganhos do setor com uma alta de 1,41%.

No radar dos investidores, também estão os dados do IBGE sobre as vendas do varejo de maio. Embora tenham registrado o segundo mês seguido no positivo, com alta de 1,7%, o número ficou abaixo da alta esperada de 2,3%, de acordo com o consenso da Bloomberg.

Ainda assim, as ações do setor sobem neste pregão, com as de empresas que possuem maior participação digital abrindo alguma vantagem em relação às mais dependentes do varejo físico. 

Referência do e-commerce brasileiro, os papéis da Magazine Luiza (MGLU3) sobem 4,89% e lideram as altas do índice. Já as varejistas de moda Soma (SOMA3) e Lojas Renner (LREN3) se valorizam 4,15% e 2,75%, respectivamente.

 

Esteja sempre informado sobre as notícias que movem o mercado. Assine a EXAME

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme | Beatriz Quesada

Repórteres da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame