Exame Invest
Mercados

Ibovespa recua mais de 1% puxado por quedas de Petrobras e Vale

PUBLICADO EM: 31.8.21 | 10H39
ATUALIZAÇÃO: 31.8.21 | 16H16
Dados negativos da China trazem preocupação sobre retomada global e derrubam preços do minério de ferro

Resumo do investidor

Às 16h: - Ibovespa recua 1,31%, aos 118.166 pontos; - Dólar cai 0,37% e é negociado a 5,17 reais; - EUA: Dow Jones recua 0,13%, S&P 500 tem queda de 0,14% e Nasdaq sobe 0,01%.

Bolsa: Ibovespa avança e caminha para oitava alta em nove pregões

Painel de cotações da B3 | Foto: Germano Lüders/Exame

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme | Beatriz Quesada

Repórteres da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

O Ibovespa recua nesta terça-feira, 31, pressionado pelas desvalorizações de Petrobras (PETR3/PETR4) e Vale (VALE3), que são os dois papéis com maior peso no índice. O mercado brasileiro também acompanha o pessimismo no exterior com a desaceleração da recuperação econômica na China. Às 16h, o Ibovespa recua 1,31%, aos 118.166 pontos.

Divulgado na última noite, o Índice de Gerente de Compras (PMI, na sigla em inglês) Industrial da China ficou em 50,1 pontos, praticamente na linha que divide a expansão da contração da atividade em relação ao mês anterior. Já o PMI Composto ficou abaixo da linha, em 48,9 pontos.

Por aqui, os dados negativos da China se somam à queda no preço do minério de ferro e derrubarmas ações da Vale (VALE3). Os papéis da mineradora recuam 2,08% e pressionam o Ibovespa para baixo. As siderúrgicas CSN (CSNA3), Gerdau (GOAU4) e Usiminas (USIM5) também são negociadas em queda, com a CSN caindo 5,21% e liderando as perdas do Ibovespa.

A Petrobras (PETR3/PETR4) também opera em queda, ajudando a manter o Ibovespa em baixa. As ações da petroleira recuam 2,89% e 3,75%, respectivamente, na esteira da queda dos preços do petróleo. 

A commodity recua em torno de 0,8% no mercado internacional com a retomada da produção nos EUA após a passagem do furacão Ida no Golfo do México e em meio à expectativa de produção adicional da Opep+. A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e aliados, incluindo a Rússia, se reúne nesta quarta-feira para discutir o aumento de produção previamente acordado de 400 mil barris por dia ao longo dos próximos meses.

Investidores também ficam atentos a declarações do presidente Jair Bolsonaro. Pressionado pelo aumento no preço dos combustíveis, o presidente afirmou em conversa com apoiadores que o governo irá "começar a trabalhar" no preço dos combustíveis buscando mudanças no ICMS. O temor do mercado é de que o governo implemente alguma forma de controle de preços, impactando o lucro e as ações da Petrobras.

O que ajuda a equilibrar as perdas do dia são as ações dos grandes bancos. Com a maior representação do setor, o Itaú (ITUB4) sobe 0,72%, enquanto Banco do Brasil (BBAS3) e Santander (SANB11) sobem 0,27% e 0,82%, respectivamente. Já as ações do Bradesco (BBDC4) operam em leve queda de 0,09%.

Entre as maiores altas do dia, os papéis da Braskem (BRKM5) sobem 4,29% após a Unipar demonstrar interesse em seus ativos no ABC. Segundo reportagem do Valor Econômico, a Unipar Carbocloro chegou a apresentar uma proposta não vinculante à Novonor (antiga Odebrecht) pelos ativos da Braskem no Polo Petroquímico do ABC.

Também entre as maiores altas, as ações da MRV (MRVE3) sobem 0,67%. Nesta manhã, a empresa anunciou um novo programa de recompra de ações com objetivo de adquirir até 24,145 milhões de papéis, cerca de 8,2% do total em livre circulação. Considerando a cotação atual de cerca de 14 reais, o programa pode movimentar cerca de 340 milhões de reais.

Fora do Ibovespa, as ações da Rede D'Or (RDOR3) despencam 5,36%, após o papel passar por um grande leilão ("block trade") que movimentou cerca de 2,64 bilhões de reais na B3 na manhã desta terça-feira

A empresa também anunciou que desistiu de realizar uma oferta pública de aquisição (OPA) para aquisição da empresa de diagnósticos Alliar (AALR3). Também fora do índice, os papéis da Alliar caem quase 15%.

Entre as justificativas para a desistência da OPA, a Rede D'Or citou a "redução da dispersão das ações de emissão da Alliar, em razão de aquisições realizadas recentemente por certos acionistas". Fundos ligados ao empresário Nelson Tanure compraram recentemente 26% das ações da Alliar.

Vale lembrar que, na véspera, o grupo Fleury (FLRY3) anunciou estar avaliando uma possível transação com a Alliar.

Bolsas globais

As bolsas de NY operam perto da estabilidade após estabelecerem novos recorde na segunda-feira, 30. Os índices Dow Jones e S&P 500 registram leves perdas repercutindo a desaceleração econômica na China.

No mercado europeu, o Stoxx 600 fechou em queda de 0,50%, após Robert Holzmann, membro do Banco Central Europeu (BCE) afirmar, que a retomada da economia europeia permite discussões sobre a redução da compra de ativos. A declaração ocorre em meio à alta da inflação no continente. Nesta madrugada, o Índice de Preço ao Consumidor da Zona do Euro bateu 3% no acumulado de 12 meses, o maior em uma década.

 

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme | Beatriz Quesada

Repórteres da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame