Exame Invest
Mercados

Inflação e balanços nos EUA, ata do Fed e o que mais move o mercado

PUBLICADO EM: 13.10.21 | 7H13
ATUALIZAÇÃO: 13.10.21 | 7H49
Bolsas sobem no exterior, com investidores à espera de dados da economia americana e resultados
JPMorgan Chase

JPMorgan: Temporada de balanços esquenta nos EUA, com resultados de grandes bancos

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

Os principais índices internacionais apresentam leves altas na manhã desta quarta-feira, 13, enquanto investidores aguardam pela divulgação do índice de preço ao consumidor americano (CPI, na sigla em inglês), previsto para às 9h30.

O consenso é de que o CPI de setembro fique em 0,3% de alta, atingindo 5,3% na comparação anual. Já o núcleo do IPC deve permanecer em 4% no acumulado de 12 meses, segundo as projeções de mercado.

Uma inflação acima do esperado deve alimentar ainda mais as preocupações sobre a alta de preços nos Estados Unidos, podendo causar uma reação negativa no mercado, que teme uma redução de estímulos mais dura por parte do Federal Reserve (Fed). 

Caso saia abaixo das estimativas, o CPI poderá servir de alívio - ao menos até às 15h, quando será divulgada a ata da última reunião de política monetária do Fed. 

De acordo com os últimos comunicados do banco central americano, tem crescido o apoio de seus membros para medidas contracionistas e o documento de hoje poderá trazer mais novidades sobre o tapering.

No Brasil, investidores voltam de feriado nesta quarta, após o EWZ, ETF referência para a bolsa brasileira nos Estados Unidos, cair 0,25% na última sessão. Nesta manhã, o EWZ sinaliza abertura em alta, subindo 0,5% no pré-mercado. 

Big Banks no trimestre

A temporada de balanços do terceiro trimestre começa a esquentar nos Estados Unidos, com os resultados de alguns dos maiores bancos do país. Nesta quarta, serão apresentados os números do JP Morgan e Goldman Sachs, que deverão balizar as expectativas sobre o trimestre dos grandes bancos brasileiros. A maior gestora do mundo, a BlackRock, também irá apresentar seus números nesta quarta. 

No mercado americano, investidores esperam por resultados mais modestos, agora que as provisões contra perdas já voltaram a níveis considerados normais. Ao longo da semana, ainda sairão os balanços de Bank of America, Citigroup, Morgan Stanley e Wells Fargo

No Brasil, os primeiros resultados do terceiro trimestre começarão a ser divulgados a partir da última semana de outubro.

Aéreas no radar

Os acionistas da GOL (GOLL4) e Azul (AZUL4) estarão atentos a uma das maiores companhias aéreas dos Estados Unidos, a Delta Airlines, que irá divulgar seu resultado antes da abertura das bolsas de Wall Street. A mediana das estimativas colhidas pela Bloomberg é de receita total de 8,45 bilhões de dólares e taxa de ocupação de 76,7%. 

No ano, as ações da Delta acumulam alta de cerca de 12%, enquanto as aéreas brasileiras têm mais de 7% de queda no período. 

De olho nas Fintechs 

As ações do PagSeguro dispararam 15% na última sessão da Nasdaq, se recuperando das perdas de 30% registradas entre sexta e segunda-feira,11. No radar, está a consulta pública aberta pelo Banco Central para limitar tarifas cobradas em transações de cartões pré-pagos. A reação pode ser um bom sinal para os papéis do Banco Inter (BIDI11) e do Pan (BPAN4), que tiveram os piores desempenhos da segunda, com quedas superiores a 8%.

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame