Exame Invest
Future of Money

Início de uma era: El Salvador adota bitcoin como moeda oficial

PUBLICADO EM: 7.9.21 | 10H10
ATUALIZAÇÃO: 8.9.21 | 11H32
O governo já comprou as primeiras 400 moedas, a um valor de mercado de 21 milhões de dólares

Imagem da Editoria Exame Invest
AFP



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

El Salvador opera a partir desta terça-feira (7) com o bitcoin como moeda corrente, assim como o dólar, um fato inédito no mundo e estimulado pelo presidente Nayib Bukele, que registra alto índice de popularidade. 

O experimento, que gera dúvidas entre a população e desconfiança de especialistas, é seguido de perto e gerou hashtags entre os apoiadores, com "#bitcoinday", e os críticos, que usam "#noalbitcoin".

"Como toda inovação, o processo do #Bitcoin em El Salvador tem uma curva de aprendizado. Todo caminho para o futuro é assim e não conseguirmos tudo em um dia, nem em um mês", reconheceu Bukele, no poder desde 2019.

O governo já comprou as primeiras 400 moedas, a um valor de mercado de 21 milhões de dólares. Além disso, está disponível o sistema eletrônico Chivo para celulares, carregado com um valor equivalente a 30 dólares em bitcoins para que o cidadão comece a operar.

O governo instalou 200 caixas eletrônicos Chivo no país para operar com bitcoins e dólares.

Na linguagem coloquial salvadorenha, "Chivo" é algo muito bom. Mas os críticos usam "#NoesChivo" porque afirmam que expõem os fundos estatais a um ativo volátil.

Quando foi criado em 2009 o bitcoin valia centavos de dólar. Atualmente o preço supera 52.000 dólares. Mas nos últimos 12 meses alcançou chegou a US$ 62.000 ou caiu a 35.000, dependendo de comentários de investidores como Elon Musk sobre aceitá-lo ou não como forma de pagamento, ou anúncios de regulamentações chinesas.

 

 

Pelo mesmo motivo, economistas e organismos como o Banco Mundial, o FMI e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) expressam ceticismo sobre a medida.

"Um dos primeiros riscos que advertimos é que os custos da experiência são pagos pela população", disse o economista Ricardo Castañeda, do Instituto Centro-Americano de Estudos Fiscais.

O governo de Bukele garante que a polêmica medida contribuirá para a bancarização da população e evitará uma perda de 400 milhões de dólares nas remessas que os salvadorenhos enviam do exterior e que representam 22% do PIB, embora alguns especialistas questionem a afirmação.

Em El Salvador, que dolarizou sua economia há duas décadas, a maioria dos 6,5 milhões de salvadorenhos rejeita o bitcoin promovido por Bukele e prefere continuar usando o dólar, segundo as últimas pesquisas.

Sete em cada 10 salvadorenhos indicaram que "discordam ou discordam veementemente" do bitcoin, que circulará ao lado do dólar, apontou uma pesquisa recente da Universidade Centro-Americana (UCA), que consultou 1.281 pessoas em meados de agosto.

Dos mais de 1.500 consultados em outra pesquisa do jornal La Prensa Gráfica, 65,7% disseram que desaprovam a criptomoeda.

A diretora do Instituto de Opinião Pública da UCA, Laura Andrade, garante que a população resiste ao bitcoin por não considerá-lo uma forma de melhorar sua situação econômica.

 

 

A Assembleia Legislativa aprovou a lei do bitcoin em junho, e no fim de agosto endossou um fundo de 150 milhões de dólares para garantir a "conversibilidade automática" do bitcoin ao dólar. A lei estabelece que o câmbio entre o bitcoin e o dólar "será livremente estabelecido pelo mercado" e obriga "a aceitar o bitcoin como forma de pagamento".

O fato de sua cotação ser determinada "exclusivamente pelo mercado" torna o bitcoin "altamente volátil", alertou a Fundação Salvadorenha para o Desenvolvimento Econômico e Social (Fusades).

A Fundação também considera "inconstitucional" impor "a aceitação obrigatória do bitcoin como forma de pagamento quando oferecido" em qualquer transação econômica.

Incentivado por uma alta aprovação pública, mas criticado por várias medidas consideradas autoritárias e que afetam a independência entre os poderes do Estado, Bukele defende sua decisão e acusou a oposição de "assustar" a população sobre a criptomoeda.

Qual é o futuro do dinheiro? Assine a EXAME e descubra.

Imagem da Editoria Exame Invest
AFP


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame