MERCADOS

IRB dispara 18% e Renner sobe 4% com "compra"; só 4 ações do Ibovespa caem

PUBLICADO EM: 28.1.21 | 10H42
ATUALIZAÇÃO: 28.1.21 | 19H12
Confira os principais destaques de ações desta quinta-feira
B3; Bolsa; Bovespa; Painel; Investimento; Ações

Foto de Paula Barra da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Paula Barra

Repórter de mercados da Exame. Formada em jornalismo pelo Mackenzie e pós-graduada em Produtos Financeiros e Gestão de Risco pela FIA. Especializada na cobertura do mercado financeiro, com passagens pelo InfoMoney, Empiricus e TradersClub | paula.barra@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 4MIN

As ações da IRB Brasil (IRBR3) dispararam 17,82% e lideraram os ganhos do Ibovespa nesta quinta-feira, 28, após um grupo de investidores brasileiros se reunir para tentar alavancar os papéis da resseguradora por meio de uma compra coletiva, inspirados pelo que aconteceu com as ações da varejista de jogos americana GameStop. A ação no Brasil está sendo organizada por meio de grupos em redes sociais chamada de “Short Squeeze IRB”. O grupo do telegram, que usa esse nome,  já conta com mais de 28.000 membros.

O grupo brasileiro tenta replicar o que ocorreu com a varejista de jogos americana, que dispara mais de 927% este mês, em meio à uma onda de compras de investidores pessoas físicas que se organizaram no fórum Wall Street Bets, na rede social Reddit, para buscar desafiar grandes fundos de investimentos que estavam vendidos nos papéis da companhia. O efeito levou investidores tradicionais do mercado financeiro a ultrapassarem perdas de um bilhão de dólares em um único pregão.

Conheça o maior banco de investimentos da América Latina e invista com os melhores assessores

Hoje, no entanto, com a restrição de algumas corretoras para negociação com as ações da companhia, os papéis da GameStop caíram 44,11%. Ainda assim, na semana, acumulam ganhos de 197%.

Aéreas

As ações das aéreas Gol (GOLL4) e Azul (AZUL4) avançaram 6,81% e 3,73%, respectivamente, enquanto os papéis da empresa de turismo CVC Brasil (CVCB3) e da fabricante de aeronaves Embraer (EMBR3) subiram 6,77% e 3,28%.

O movimento acompanhou o bom humor dos papéis das aéreas no exterior depois que a American Airlines reportou balanço do quarto trimestre acima do esperado. Na Bolsa de Nova York, as ações da companhia subiram 9,30%, depois de terem batido na máxima do dia alta de mais de 30%. Além do resultado, os papéis são impulsionados também por um "short squeeze".

A ação é apontada pela mídia americana especializada em finanças como a mais procurada por vendidos no setor aéreo dos EUA. Com a alta mais cedo, grandes fundos e investidores que estavam com posições vendidas, correram para zerar essas operações, o que puxou ainda mais os ganhos da ação.

A American Airlines registrou prejuízo de 3,86 dólares por ação no período, menor do que as projeções do mercado que apontavam perdas de 4,11 dólares por ação. A receita líquida também ficou acima das estimativas.

Por aqui, o analista Henrique Esteter, da Guide Investimentos, comenta que também contribui para o desempenho das aéreas brasileiras hoje uma melhora no humor do mercado. Depois de cair por seis pregões seguidos, o Ibovespa teve alta de 2,6% nesta sessão, contribuindo para um aumento de apetite ao risco dos investidores.

Vale e siderúrgicas

As ações da Vale (VALE3) viraram para alta e fecharam com ganhos de 2,13%, indo na contramão do dia negativo para o minério de ferro. Também subiram as ações das siderúrgicas, que registram ganhos de 2% a 6%, após fortes perdas ontem. A exceção é a Bradespar (BRAP4), holding que detém participação na mineradora, que seguiu em baixa, e encerrou a sessão com queda de 2,55%, puxando as poucas perdas do índice. Em dia de alta para Bolsa brasileria, só quatro das 81 ações que compõem o Ibovespa fecharam no negativo nesta sessão.

Os futuros da commodity negociados na bolsa de Dalian, na China, para entrega em maio, fecharam em queda de 4,8%, a 986 iuanes (152,14 dólares) por tonelada.

Varejistas

As ações da Lojas Renner (LREN3) e Guararapes (GUAR3) avançaram 3,69% e 6,67%, respectivamente, após o Bradesco BBI elevar a recomendação dessas ações, de neutra para outperform, equivalente a compra, citando que estão "excessivamente descontadas" em Bolsa.

Por outro lado, os analistas do banco cortaram, no mesmo relatório, a classificação das ações de Via Varejo (VVAR3) e Lojas Americanas (LAME4), de outperform para neutra, apontando que veem um crescimento para o setor de e-commerce abaixo do projetado pelo consenso do mercado e preocupações com acirramento da concorrência.

No segmento de restaurantes, eles cortaram a recomendação de Burger King (BKBR3), de outperform para neutra. Para a revisão, eles comentam que o setor tem maior exposição ao trafego de lazer nos shoppings do que o setor de vestuário, além de esperarem por um menor potencial de valorização frente aos papéis das varejistas.

Randon

Fora do Ibovespa, as ações da Randon (RAPT4) subiram 6,49% após a companhia anunciar a aquisição total da CNCS Indústria Metalúrgica, uma empresa de fundição de Caxias do Sul, por 21,5 milhões de reais. O valor poderá ser ajustado na data de fechamento da operação.

Segundo a empresa, o objetivo da aquisição é ampliar a capacidade de produção em serviços de usinagem, aumento de receita e fortalecimento da empresa em novos mercados de atuação, como o setor agrícola.

Os analistas do BTG Pactual comentam que a aquisição se soma as recentes compras anunciadas pela empresa (como Triel, Ferrari, Fundituba), o que, na visão deles, demonstra um uso de capital disciplinado pela companhia. "O preço de aquisição dessas pequenas empresas tende a ser barato, enquanto que o atual nível de valuation da Randon abre espaço para adição de valor".

Embora pequena a aquisição recente, os analistas comentam ainda que gostam da crescente exposição da Randon ao negócio de autopeças, que tende a melhorar as margens consolidadas da empresa. Eles mantiveram recomendação de compra para as ações.

Foto de Paula Barra da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Paula Barra

Repórter de mercados da Exame. Formada em jornalismo pelo Mackenzie e pós-graduada em Produtos Financeiros e Gestão de Risco pela FIA. Especializada na cobertura do mercado financeiro, com passagens pelo InfoMoney, Empiricus e TradersClub | paula.barra@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame