MERCADOS

JPMorgan e Goldman divulgam resultados e atestam que crise ficou para trás

PUBLICADO EM: 14.4.21 | 6H00
ATUALIZAÇÃO: 14.4.21 | 1H45
Grandes bancos de investimento devem mostrar receitas e lucros crescentes, na medida em que a economia se recupera e as provisões para perdas são reduzidas
Wall Street Estados Unidos

Bancos de investimento de Wall Street divulgam seus resultados trimestrais nesta semana

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

A temporada de resultados corporativos nos Estados Unidos começa a esquentar de fato nesta quarta-feira, 14, com a divulgação dos números de dois gigantes de Wall Street: o JPMorgan, maior banco americano, e o Goldman Sachs. Outro banco a divulgar o seu balanço é o Wells Fargo, todos pela manhã, antes da abertura do mercado.

O CEO do JPMorgan, Jamie Dimon, deu o tom do que vem pela frente: disse ver condições para que a economia americana continue a crescer até 2023, em sua carta anual a investidores do banco, há uma semana.

As ações dos grandes bancos, por sua vez, devem experimentar uma nova rodada de valorização caso os resultados do primeiro trimestre confirmem que os efeitos da pandemia ficaram para trás. Os papéis já apresentam forte valorização no ano, de 21% no caso do JPMorgan e de 24% para o Goldman Sachs.

É um otimismo corroborado, ao menos no curto prazo, pela visão de analistas de mercado. A expectativa é que o JPMorgan possa apresentar números ainda melhores do que os do trimestre anterior, quando o resultado foi impulsionado pela área de trading e pelas comissões em operações de M&A (fusões e aquisições). A recuperação da economia e a redução das provisões para perdas devem ter contribuído para um forte resultado.

O lucro de janeiro a março deve ter ficado em 3,03 dólares por ação (uma alta de 289% na comparação anual), com receitas de 30,13 bilhões de dólares (+7,3%).

No caso do Goldman Sachs, a expectativa de analistas é a de um lucro de 10,1 dólares por ação, com 12,27 bilhões de dólares em vendas. Caso se confirme, será o melhor resultado desde o quarto trimestre de 2019, pré-pandemia. Um ano atrás, sob os efeitos da pandemia, o lucro por ação ficou em 3,11 dólares, com 8,74 bilhões de dólares em receitas.

O resultado do Goldman deve superar as projeções consensuais de mercado, impulsionado pela área de sales & trading, de acordo com analistas.

Outros dois gigantes de Wall Street, o Citi e o Bank of America, divulgam os respectivos resultados do primeiro trimestre nesta quinta-feira, 15, antes da abertura do mercado. No dia seguinte será a vez do Morgan Stanley, igualmente pela manhã.

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame