Exame Invest
Mercados

Maior empresa do Brasil com US$ 107 bi, Vale seria apenas a 107ª nos EUA

PUBLICADO EM: 28.4.21 | 9H45
ATUALIZAÇÃO: 28.4.21 | 16H39
Soma do valor de mercado de todas as empresas listadas na B3 não dá nem a metade do que vale a Apple, com mais de US$ 2,2 trilhões

Resumo do investidor

1. A Vale acaba de atingir uma marca histórica, com valor de mercado acima de US$ 100 bilhões 2. É disparada a maior empresa do país, mas o tamanho do mercado brasileiro é muito menor do que o dos EUA 3. E isso se reflete na posição da Vale se estivesse listada nos EUA: seria só a 107ª empresa em valor de mercado

Vale

Vale: maior empresa da América Latina, mineradora tem 106,9 bilhões de dólares em valor de mercado

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

Beneficiada pela alta do minério de ferro, a Vale (VALE3) bateu 106,925 bilhões de dólares em valor de mercado no último pregão na terça-feira, 27, quando suas ações fecharam em nível recorde. Mas, ainda que o montante faça dela a maior empresa do Brasil, caso fosse listada nos Estados Unidos, a mineradora não estaria nem entre as 100 maiores companhias do mercado.

Assine a EXAME e tenha acesso ao melhor conteúdo sobre investimentos, negócios e carreiras

De acordo com levantamento feito pelo sistema de informações financeiras Economatica, a Vale seria apenas a 107ª maior empresa em valor de mercado nos Estados Unidos. Logo à sua frente estaria o Airbnb, que abriu capital no fim do ano passado e já vale 108,265 bilhões de dólares. E atrás estaria a Uber, que nunca teve um ano de lucro, com 106,213 bilhões de dólares em valor de mercado.

Já para ser a maior empresa do mercado americano -- e do mundo --, a Vale teria que crescer cerca de 21 vezes. Só assim, superaria o valor de mercado da Apple, de 2,256 trilhões de dólares.

Ainda assim, o valor de mercado da Vale supera o de todas as companhias latino americanas, mesmo aquelas listadas nos Estados Unidos. Segunda maior empresa da região, o argentino Mercado Livre vale cerca de 80 bilhões de dólares. Já a terceira maior, o Walmart do México, está a 40 bilhões de dólares do valor da Vale.

Em relação à Petrobras (PETR3/PETR4), segunda maior empresa do Brasil e a quarta da América Latina, a Vale representa quase o dobro dos 54,9 bilhões de dólares de valor de mercado da petroleira.

Mas, mesmo se todas as empresas listadas na B3 se unissem, não seria possível entrar para o top 3 das maiores dos Estados Unidos. 

De acordo com a B3, o valor de mercado de todas as companhias listadas no Brasil é de 969,4 bilhões de dólares, o equivalente a cerca de dois terços da Alphabet (a holding do Google), a quarta maior dos Estados Unidos, avaliada em 1,548 trilhão de dólares. 

O colosso formado por todas as empresas da B3 conseguiria espaço no top 5 do mercado americano, tomando o lugar do Facebook, com 864,5 bilhões de dólares de valor de mercado. 

Mas as discrepâncias entre o mercado brasileiro e o americano não estão apenas no valor de mercado das empresas listadas. De acordo com dados da Cboe, a maior bolsa de opções dos Estados Unidos, a média diária do volume negociado (ADTV, na sigla em inglês) dos últimos cinco dias em todo o mercado americano foi de 500 bilhões de dólares. Na B3, o ADTV do mercado de ações está em 6,6 bilhões de dólares no ano.

Também há um abismo entre o número de empresas listadas no mercado americano e na B3. Segundo o Statista, são 2.987 empresas listadas na Nasdaq e 2.873 na NYSE. Na B3, são 367 empresas listadas, de acordo com dados da própria bolsa.

Embora nanica em relação às gigantes americanas, a B3 é a quarta maior bolsa em número de empresas listadas em todas as Américas, perdendo apenas para as duas dos Estados Unidos e para a TMX Group, do Canadá, com 3.412 companhias listadas. Nossa vizinha Bolsa y Mercados Argentinos tem apenas 92 empresas listadas, enquanto a do México, 145, segundo o Statista.

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame