MERCADOS

No radar: Itaúsa, alta do minério de ferro e o que mais move o mercado

PUBLICADO EM: 10.5.21 | 7H00
ATUALIZAÇÃO: 10.5.21 | 7H28
Mineradoras se destacam no mercado internacional impulsionadas por disparada de commodity
Minério de ferro: os futuros do minério caíram nesta terça-feira, um dia após registrarem o maior recuo para um único dia em quase 10 meses

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

As principais bolsas ocidentais oscilam sem uma direção definida na manhã desta segunda-feira, 10, com investidores mais cautelosos após os índices americanos terem firmado novos recordes no último pregão. Na Ásia, o tom foi majoritariamente positivo durante a madrugada, com destaque para seu mercado de commodities.

Minério de ferro

Embalado pela expectativa de uma forte recuperação da economia global, o minério de ferro disparou 10% na China. Em Singapura, a commodity encerrou o pregão sendo negociada a mais de 226 dólares por tonelada, estabelecendo um novo recorde. 

A  disparada do minério, que vem subindo a passos largos desde que o mercado chinês voltou de feriado na última semana, deve ser o principal gatilho para as ações de mineradoras e siderúrgicas brasileiras no pregão de hoje. 

No mercado internacional, as concorrentes da Vale (VALE3) apresentam valorizações significativas, com a Rio Tinto subindo 4,5% na Austrália e a Bhp, 2,5% no pré-mercado americano.

No Brasil, o Índice de Materiais Básicos acumula 30% de alta no ano. Já os papéis da Usiminas (USIM5) e CSN (CSNA3), que também têm se beneficiado do forte consumo de aço no mercado interno, já subiram quase 60% em 2021. 

Balanços

Sem grandes divulgações macroeconômicas previstas para esta segunda, os balanços do primeiro trimestre devem ganhar ainda mais relevância no pregão de hoje. Nesta segunda, seis empresas divulgam resultado, todas após o encerramento do pregão. São elas: Alupar (ALUP11), Direcional (DIRR3), Itausa (ITSA4), Lojas Marisa (AMAR3), Mitre (MTRE3) e Mobly (MBLY3). Na noite de sexta-feira, 7, apenas M. Dias Branco (MDIA3) e BrasilAgro (AGRO3) reportaram resultados.

Itaúsa

Querida entre os investidores em busca de dividendos, a holding do Itaú é a maior entre as companhias que irão apresentar balanço nesta segunda, com 89,3 bilhões de reais de valor de mercado.

No ano, as ações da Itaúsa acumulam cerca de 10% de queda, mesmo após seu presidente, Alfredo Setubal, ter dado a letra de que as ações de sua companhia estariam mais descontadas do que a soma da participação de seus investimentos. Recentemente, a companhia ainda adquiriu participação na Aegea, visando o leilão da Cedae. 

“Por isso, acreditamos que essa é uma boa oportunidade para o acionista aumentar exposição na empresa”, chegou a dizer ainda em fevereiro. Mas nem o incentivo do presidente da empresa foi suficiente para desencalhar os papéis da faixa dos 10 reais.

Agenda econômica

A principal divulgação do dia será o boletim semanal Focus do Banco Central. Para a semana, os principais eventos econômicos devem ser o IPCA de abril, a primeira revisão do PIB americano do primeiro trimestre, inflação e vendas do varejo nos Estados Unidos e PIB do Reino Unido.

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame