MERCADOS

No radar: balanços nos EUA, CPI, saídas no BB e o que move os mercados

PUBLICADO EM: 14.4.21 | 7H12
ATUALIZAÇÃO: 14.4.21 | 7H30
Índices futuros americanos registram alta após recordes da véspera; bolsas européias e asiáticas operam em tendência positiva

Mercado americano aguarda a primeira leva de resultados corporativos de 2021 nesta quarta-feira (Getty Images/EyeEm)

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada

Repórter de mercados, passou pelas redações da revista Capital Aberto e rádio BandNews FM | beatriz.quesada@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 5MIN

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia. 

Quadro geral do dia às 7h05:

  • EUA: Dow Jones futuro tem leve variação positiva de 0,04%, S&P 500 futuro registra alta de 0,11% e Nasdaq futuro sobe 0,17%
  • Índice pan-europeu STOXX600 avança 0,19%
  • Índice MSCI Ásia-Pacífico registrou alta de 0,26%

Uma tendência de alta marca as bolsas globais nesta quarta-feira, 14. Os índices futuros americanos registram leves ganhos após os recordes da véspera e se preparam hoje para o início da temporada de balanços do primeiro trimestre de 2021. Na Europa, investidores seguem atentos a dados econômicos e corporativos, enquanto na Ásia, as bolsas fecharam em alta puxadas pelas ações de tecnologia. 

O mercado americano aguarda a primeira leva de resultados de 2021 nesta quarta-feira, com a divulgação dos balanços dos bancos JP Morgan e Goldman Sachs, além da instituição financeira Wells Fargo, antes da abertura de mercado.

As expectativas estão altas e podem levar os índices americanos a novos recordes. Ontem, o S&P 500 renovou máxima histórica e o índice de tecnologia Nasdaq avançou mais de 1% após a divulgação de dados de inflação do país, que mostraram um cenário melhor do que alguns agentes do mercado temiam.

O índice Dow Jones foi o único a recuar, impactado com notícia de que agências federais de saúde recomendaram pausar o uso da vacina de dose única Covid-19 da Johnson & Johnson depois que seis pessoas desenvolveram um distúrbio raro envolvendo coágulos sanguíneos. A empresa afirmou que iria atrasar o envio da vacina à Europa, e a África do Sul também suspendeu o uso do medicamento. 

Porém, após o fechamento do mercado, as concorrentes Pfizer e Moderna divulgaram novos dados que podem recuperar o ânimo do mercado hoje em relação à vacinação.

O CEO da Pfizer, Albert Bourla, disse que a farmacêutica pode entregar 10% mais doses de vacina aos EUA até o final de maio do que o esperado. Além disso, a Moderna afirmou que sua vacina Covid-19 é 95% eficaz mesmo após seis meses da aplicação da 2ª dose.

Na Ásia, as ações de empresas chinesas de tecnologia listadas em Hong Kong subiram nesta quarta depois que 12 empresas – incluindo Baidu, JD.com e Meituan – se comprometeram a cumprir leis antitruste. As ações da Baidu avançaram 3,21%, enquanto a JD.com subiu 2,55% e a Meituan registrou alta de 3,62%.

Por aqui, o Ibovespa encerrou o último pregão em alta, puxado pela forte valorização de ações de varejistas, que subiram até 9%, impulsionadas por dados de vendas do setor em fevereiro. Com o movimento positivo, o índice brasileiro superou os 119 mil pontos, atingindo o maior patamar de fechamento desde 18 de fevereiro.  

Investidores locais ficam atentos hoje ao andamento da CPI da Covid-19, ao impasse em relação ao Orçamento de 2021 e ao noticiário corporativo. Abaixo, os principais destaques desta quarta-feira:

CPI da Covid-19

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), formalizou nesta terça-feira, 13, o requerimento para abertura da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19. A Comissão vai investigar a atuação do governo federal durante a pandemia e os repasses feitos a estados e municípios para o enfrentamento à crise de saúde pública.

A instalação da CPI foi determinada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso, na semana passada, após pedidos de senadores, diante da omissão de Pacheco. 

O presidente do Senado argumentava que a CPI tiraria o foco do combate à pandemia, que não para de avançar no Brasil. Na véspera, o Brasil registrou média diária de mortes por Covid-19 acima de 3 mil pelo 4º dia seguido.

Após a decisão liminar de Barroso, senadores governistas começaram a defender que a CPI fosse ampliada, para investigar também prefeitos e governadores. O plenário do STF deve decidir sobre a liminar de instalação da CPI nesta quarta-feira. A expectativa é que a decisão de Barroso em instaurar a Comissão seja mantida.

Mesmo com a leitura do requerimento, a CPI só será instalada, de fato, quando os partidos indicarem os 11 integrantes titulares e começarem os trabalhos. Não há prazo para que isso seja feito.

Saídas no BB

Após a troca de CEO, o Banco do Brasil (BBAS3) confirmou a saída de dois vice-presidentes na noite de ontem. Carlos André renunciou ao cargo de vice-presidente de gestão financeira e de relações com investidores, por motivo de aposentadoria, e Mauro Ribeiro Neto deixou o cargo de vice-presidente corporativo alegando motivos pessoais. A saída dos executivos será efetivada a partir de 26 de abril, no caso de André, e a partir de 30 de abril, para Ribeiro Neto. 

As renúncias foram anunciadas após Fausto Ribeiro ter chegado ao cargo de presidente do banco, na esteira da demissão de seu antecessor, André Brandão, cujos planos de fechamento de agências irritaram o presidente Jair Bolsonaro.

IPOs

Seguindo o calendário de ofertas públicas iniciais de ações (IPOs), a rede de hospitais Mater Dei realiza hoje a precificação de suas ofertas. A operação pode movimentar em torno de 2 bilhões de reais.

A CM Hospitalar, dona da fornecedora de produtos hospitalares Viveo, também deveria fechar o preço para suas ações na oferta hoje, mas desistiu, segundo informações do jornal Valor Econômico. A avaliação da companhia foi a de que a empresa teve um resultado positivo no primeiro trimestre do ano e pode usar esse balanço para prosseguir com a oferta em condições mais favoráveis de mercado.

Coinbase vai para a bolsa

Principal corretora de criptoativos dos Estados Unidos, a Coinbase vai abrir capital nesta quarta-feira, 14, por meio de listagem direta -- modelo já utilizado por outras empresas de tecnologia como Spotify e Palantir

O valuation da Coinbase permanece uma incógnita, já que a listagem direta, diferente do IPO, não tem preço pré-estabelecido. As análises citam valores que variam de 68 bilhões a mais de 100 bilhões de dólares. No caso mais otimista, seria a maior oferta inicial de ações de uma empresa de tecnologia desde que o Facebook abriu capital em 2012.

Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Beatriz Quesada

Repórter de mercados, passou pelas redações da revista Capital Aberto e rádio BandNews FM | beatriz.quesada@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame