Exame Invest
MERCADOS

No radar: Trump condena invasão, desemprego nos EUA e o que mais move o mercado

PUBLICADO EM: 8.1.21 | 7H01
ATUALIZAÇÃO: 8.1.21 | 9H02
Principais índices de ações dão continuidade aos ganhos da véspera, ainda embalados por esperanças de novos estímulos
O presidente dos EUA, Donald Trump, e o vice-presidente Mike Pence, fazem comentários sobre os primeiros resultados da eleição presidencial dos EUA de 2020 na Sala Leste da Casa Branca em Washington, EUA, 4 de novembro de 2020. REUTERS / Carlos Barria

Donald Trump muda de discurso, após repercussão negativa de invasão de apoiadores (REUTERS)

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 3MIN

Trump condena invasão de apoiadores

Depois de fazer um discurso dúbio enquanto seus apoiadores invadiam o Capitólio, em Washington, o presidente Donald Trump mudou de tom em vídeo divulgado na noite de quinta-feira, 7, condenando a invasão pela primeira vez. Segundo o republicano, o ato foi marcado por “ilegalidade e caos”. Trump também voltou a afirmar que fará a transição no próximo dia 20, para quando está marcada a posse de Joe Biden, e citou que o momento “exige reconciliação”. 

Conheça 10 investimentos para ampliar seu patrimônio no novo ano. Baixe relatório gratuito do BTG Pactual digital

As declarações chegam como um alívio para as bolsas de valores, que sofreram com as turbulências de quarta-feira, 6. Nesta sexta-feira, 8, os principais índices de ações do Ocidente apresentaram leves altas, dando continuidade ao clima de otimismo com novos estímulos, após o partido democrata assegurar a maioria no Senado.

Payroll

Embora o clima ainda seja positivo, a direção para qual irão os mercados nesta sexta deve depender do relatório de empregos não-agrícolas dos Estados Unidos, o payroll. Considerado pelo mercado financeiro como o mais importante dado da maior economia do mundo, o payroll de dezembro deve revelar a dificuldade do mercado de trabalho americano em seguir se recuperando com novas medidas de isolamento no país. 

A expectativa para a divulgação é de criação de 71.000 postos de trabalhos. Se confirmado, o número deve ser o menor desde o início da retomada americana, iniciada em maio. No entanto, há grandes chances de o payroll mostrar queda do número de empregos, já que os dados do Instituto ADP, conhecido como “prévia do payroll”, mostraram perda de 123.000 empregos privados na quarta, enquanto o mercado esperava criação de 88.000 vagas.

Junto com o payroll, às 10h30, será divulgada a taxa de desemprego americana, para a qual o mercado espera que fique em 6,8% contra os 6,7% de novembro. Em fevereiro, antes dos impactos da pandemia no mercado de trabalho americano, a taxa estava em 3,5%. 

Produção Industrial

No Brasil, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgará às 9h os dados de produção industrial referentes ao mês de novembro. A expectativa é de uma alta anual de 3,5% e de 1,3% em relação a outubro.

Hyundai dispara

As ações da Hyundai dispararam 19,42% na bolsa de Seul, após a empresa dizer que estava em conversas iniciais com a Apple. Segundo a emissora local Korea Economic Daily TV, a montadora estaria planejando entrar no ramo de carros elétricos. Recentemente, a Reuters noticiou que a Apple estaria procurando uma parceria para possibilitar a ingressão no segmento. Ainda segundo a Reuters, o grande trunfo da fabricante de smartphones seria uma bateria que levaria a indústria a "outro nível". 

Azul

Ainda se recuperando dos efeitos da pandemia, a Azul informou que seu tráfego de passageiros consolidado cresceu 18,1% em dezembro em relação ao mês anterior, chegando a 2,029 milhões. O número, no entanto, ficou muito aquém dos 2,957 milhões de passageiros registrado em dezembro de 2019. No ano, o tráfego de passageiros consolidado ficou em 16,317 milhões, 45,5% abaixo do de 2019.

Inter

Em prévia operacional do quarto trimestre, o Banco Inter destacou a criação de 4,5 milhões de novas contas em 2020, mais do que dobrando sua base de correntistas para 8,5 milhões. Somente no último trimestre do ano, foram registrados 18,2 bilhões de reais em transações, representando um crescimento anual de 119%.

Camil

Enquanto as empresas já se preparam para a divulgação dos balanços do quarto trimestre, a Camil apresentou, na noite de quinta, seu balanço do terceiro trimestre. No período, a companhia teve lucro líquido de 129,5 milhões de reais - representando crescimento anual de 95,9%. Já a receita da companhia aumentou em 38,1% para 1,994 bilhões de reais. Segundo a empresa, os elevados preços da saca de arroz, que atingiu 104 reais no trimestre, contribuiu para o resultado positivo no terceiro trimestre. O efeito cambial também teve sua contribuição. A teleconferência sobre o resultado será realizada hoje, às 11h.

EXAME Flash

Ouça um rápido resumo das principais notícias e destaques do Brasil e do mundo em uma curadoria especial do time da Exame

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame