Exame Invest
Mercados

Onda de IPOs acelera mercado de seguros para executivos e acionistas

PUBLICADO EM: 14.3.21 | 7H50
ATUALIZAÇÃO: 13.3.21 | 17H20
A sequência de ofertas públicas iniciais (os IPOs, na sigla em inglês) na bolsa brasileira desde o ano passado está estimulando uma cadeia de negócios, além do resultado das próprias empresas. É o caso de seguros voltados para executivos e acionistas para protegê-los de eventuais processos decorrentes das operações no mercado de capitais. Duas das […]

Resumo do investidor

Aumento de procura e venda de apólices que buscam proteger stakeholders de eventuais processos reflete aquecimento do mercado de ofertas iniciais

bolsas de valores

Prédio-sede da B3: 15 empresas já estrearam na bolsa antes do fim do primeiro trimestre de 2021 (Bloomberg via Getty Images)

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

A sequência de ofertas públicas iniciais (os IPOs, na sigla em inglês) na bolsa brasileira desde o ano passado está estimulando uma cadeia de negócios, além do resultado das próprias empresas. É o caso de seguros voltados para executivos e acionistas para protegê-los de eventuais processos decorrentes das operações no mercado de capitais.

Duas das maiores empresas estrangeiras com atuação no país relatam aumento de até 400% no ano passado na venda de tais seguros na comparação com 2019, o ano que antecedeu o aquecimento do mercado.

São apólices voltadas para proteger executivos, conselheiros e acionistas controladores de eventuais prejuízos causados por erros nos prospectos ou informações imprecisas ou incompletas nas reuniões de executivos com o mercado.

No caso da Zurich do Brasil, a procura do seguro voltado para IPOs por empresas que abriram o capital ou que estudaram fazê-lo aumentou 300% em 2020 na comparação com o ano anterior, enquanto as vendas subiram 22%.

“A expectativa continua alta em relação às novas ofertas em 2021, considerando a manutenção da baixa taxa de juros e a contínua necessidade de as empresas buscarem captações", diz Fernando Saccon, da Zurich no Brasil.

A avaliação do seguro é influenciada por fatores de risco como qualidade dos ativos, governança corporativa, gestão qualificada, estratégia de negócio consistente e prospecto da oferta bem elaborado.

A Marsh Brasil, por sua vez, informa que as vendas cresceram 400% no ano passado. "Investidores que se sintam lesados por eventuais informações equivocadas fornecidas pelas empresas podem entrar com ações coletivas para reparar possíveis perdas financeiras", diz Luis Guilherme Menezes, diretor da corretora Marsh Brasil.

Imagem da Editoria Exame Invest
Da Redação

Repórter da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame