Exame Invest
Mercados

'Ópio espiritual'? Dona do League of Legends despenca em Hong Kong

PUBLICADO EM: 3.8.21 | 8H24
ATUALIZAÇÃO: 3.8.21 | 8H29
Em meio ao cerco regulatório sobre empresas de tecnologia, ações da Tencent acumulam perdas de 40% em um mês

Campeonato de League of Legends no Rio de Janeiro | Foto: Colin Young-Wolff/Riot Games via (Riot Games via Getty Images)

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 2MIN

As ações da Tencent Holding, dona do League of Legends e Fortnite, despencaram 6,11% na bolsa de Hong Kong na madrugada desta terça-feira, 3, após o jornal estatal da China Economic Information Daily comparar o vício por jogos online ao "ópio espiritual" e a "drogas eletrônicas". Em um mês, as ações da Tencent acumulam 39,4% de queda. 

Entre investidores, as declarações contundentes foram vistas como um sinal de que a gigante de mais de 500 bilhões de dólares seja o próximo alvo do cerco regulatório do governo chinês sobre empresas de tecnologia do país.

Em julho, reguladores da China chegaram a bloquear uma operação de fusão envolvendo as duas maiores companhias de streaming de jogos eletrônicos do país, a Huya e a DouYu. Na época, a Administração Estatal para Regulação do Mercado alegou que a operação fortaleceria a posição já dominante da Tencent, que detém mais de um terço de ambas as empresas, segundo o South China Morning post

Esteja sempre informado sobre as notícias que movem o mercado. Assine a EXAME

Empresas de tecnologia têm enfrentando maiores pressões do governo chinês desde o fim de junho, quando a chinesa Didi Chuxing, do aplicativo de transporte 99, realizou IPO na NYSE, levantando 4 bilhões de dólares.

Pouco após a abertura de capital nos Estados Unidos, o governo chinês chegou a bloquear o download de aplicativos da companhia, alegando supostas ilegalidades envolvendo a colheita de dados pessoais. Desde então, tem crescido o receio de investir em ativos da China, especialmente em ações ligadas ao setor de tecnologia.

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme

Repórter de mercado | guilherme.guilherme@exame.com


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame