Exame Invest
Mercados

Ibovespa vira para queda com cenário político e ignora disparada da Petro

PUBLICADO EM: 5.8.21 | 10H28
ATUALIZAÇÃO: 5.8.21 | 17H14
Petrolífera dá lucro acima das expectativas e divulga dividendo de mais de 30 bilhões de reais

Resumo do investidor

Às 16h: - Ibovespa recua 0,41%, aos 121.295 pontos - Dólar comercial avança 0,71% e é negociado a 5,22 reais - EUA: Dow Jones sobe 0,53%, S&P 500 avança 0,39% e Nasdaq tem ganhos de 0,69%

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme | Beatriz Quesada

Repórteres da Exame



Compartilhe nas redes sociais
GUIA
Em alta

INVISTA 4MIN

Após operar em alta durante toda a manhã, o Ibovespa vira para queda na tarde desta quinta-feira, 5, ignorando o impulso das ações da Petrobras (PETR3/PETR4), que chegam a disparar mais de 10% após a divulgação do resultado do segundo trimestre. Às 16h, o principal índice da B3 recua 0,41%, aos 121.295 pontos.

Investidores voltam a repercutir as incertezas em relação ao cenário fiscal do país, à medida que se discute em Brasília o parcelamento de pagamentos de precatórios em dez anos. A medida é vista por muitos agentes do mercado como um "calote". Se a proposta for aprovada, o governo abre um espaço no Orçamento que poderia ser usado para aumentar o valor do Bolsa Família para 400 reais, como é o desejo do presidente Jair Bolsonaro.

"Em véspera de ano eleitoral, o mercado fica com medo de que governo esteja postergando [o pagamento da] dívida", explicou Felipe Steiman, gerente comercial da B&T Câmbio, à Reuters. Segundo ele, esse receio limita o desempenho do real, que chegou a se valorizar contra o dólar durante a manhã. Às 16h, a moeda americana avança 0,71% e é negociada a 5,22 reais.

Ainda em Brasília, o mercado fica atento à escalada da tensão entre o presidente e o STF. Bolsonaro foi incluído no inquérito das fake news na noite de ontem. Bolsonaro foi incluído no inquérito das fake news na noite de ontem. O ministro Alexandre de Moraes acolheu pedido do TSE para analisar a conduta do presidente após live em que Bolsonaro fez ataques aos ministros da corte e disseminou notícias falsas sobre as urnas eletrônicas.

As preocupações se somam à decisão de ontem do Comitê de Política Monetária (Copom), que optou pela alta de juro de 1 ponto percentual, elevando a taxa Selic de 4,25% para 5,25% ao ano. 

Segundo comunicado do Copom, o comitê antevê uma nova alta de mesma magnitude para a próxima reunião, com o objetivo de elevar os juros para acima do patamar de equilíbrio. 

"O mercado está muito cauteloso com os riscos fiscais no radar envolvendo o novo Bolsa Família. Somado a isso, o tom mais duro utilizado pelo Copom prejudica o apetite a ações”, disse à Bloomberg Jerson Zanlorenzi, responsável pela mesa de renda variável e derivativos do BTG Pactual digital.

Destaques de ações

A Petrobras (PETR3/PETR4) é o grande destaque de alta do dia, subindo 8,91% e 7,57% na tarde desta quinta-feira. A alta repercute o balanço trimestral do segundo trimestre da companhia, divulgado na noite de ontem.

No período, a Petrobras teve lucro líquido de 42,86 bilhões de reais ante o consenso da Bloomberg de 29,41 bilhões de reais. A empresa ainda superou as estimativas em Ebitda, que ficou em 61 bilhões de reais, e em suas vendas de 110,71 bilhões de reais. A empresa também apresentou dividendos de 31,6 bilhões de reais.  "A surpresa foi a parte de refino, que geralmente penaliza o resultado, veio melhor neste trimestre", avalia Bruno Lima, analista-chefe de ações do BTG Pactual Digital.  

O analista ainda cita a alta do petróleo e os ganhos de margem, com custos de exploração favoráveis, para o bom resultado da companhia. Mas, a "cereja do bolo", diz Lima, ficou com o dividendo de 31,6 bilhões de reais.

Outra ação que chegou a apresentar forte alta em função do resultado do segundo trimestre foi a do Banco do Brasil (BBAS3).  No início do pregão, os papéis chegaram a subir mais de 3%, mas zeraram os ganhos com a piora do cenário local, tendo no radar os riscos fiscais. 

Na ponta negativa, as ações da Vale (VALE3), que tem o maior peso do Ibovespa, recuam 3,16%. A queda ocorre após forte depreciação do minério de ferro na China, que voltou para a mínima desde meados de abril, recuando cerca de 5% nesta madrugada. Junto com a Vale entre as maiores quedas, a Bradespar (BRAP4), que tem grande participação na mineradora, recua quase 5%. As siderúrgicas CSN (CSNA3), Gerdau (GOAU4) e Usiminas (USIM5), caem mais de 4%, 3% e 2%, respectivamente.

Mercado Internacional

Na contramão da bolsa nacional, os mercados no exterior têm um dia de alta. Na Europa, o Stoxx 600 bateu seu quarto recorde consecutivo, subindo 0,37%. Nos Estados Unidos, o S&P 500 sobe 0,39%, o Dow Jones, 0,52% e o Nasdaq, 0,69%, enquanto investidores avaliam os pedidos semanais de seguro desemprego, que saíram quase em linha com as expectativas, em 385.0000.

 

Foto de Guilherme Guilherme da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Foto de Beatriz Quesada da Editoria Exame Invest que escreveu o artigo
Guilherme Guilherme | Beatriz Quesada

Repórteres da Exame


Compartilhe nas redes sociais
Mosaico do rodapé com as cores da Exame